Inflação e petróleo devolvem a Bovespa para níveis de abril

quarta-feira, 11 de junho de 2008 18:17 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - De olho na combinação de inflação doméstica em alta, novo repique das cotações do petróleo e novas perdas de Wall Street, os investidores da Bolsa de Valores de São Paulo mantiveram-se na ponta vendedora pela quarta sessão seguida nesta quarta-feira.

Pressionado ainda por nova desvalorização das ações da Vale, o Ibovespa caiu 1,45 por cento, para 66.794 pontos, nível mais baixo desde 29 de abril. O giro financeiro somou 6,35 bilhões de reais.

No plano doméstico, os índices de preços trouxeram más notícias. A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançou 0,79 por cento em maio. Analistas consultados pela Reuters esperavam inflação de 0,66 por cento.

"Isso reforçou a leitura de que o ciclo de aperto monetário pode ser não apenas mais longo, como mais intenso", disse Newton Rosa, economista-chefe da SulAmerica Investimentos.

Foi o estopim para detonar ordens maciças de vendas de ações de empresas varejistas, setor que analistas acreditam ser o mais atingido por eventual aperto da Selic. Em destaque, as ações ordinárias da B2W desabaram 5,5 por cento, para 60,70 reais.

O humor do mercado azedou de vez com o efeito negativo da escalada do petróleo --o barril da commodity saltou para 136,40 dólares-- sobre Wall Street, que também temia alta da inflação nos Estados Unidos. O índice Dow Jones caiu 1,68 por cento.

No Brasil, essa tendência pesou mais sobre ações de empresas cujos custos são altamente afetados por esse movimento. Em destaque, as companhias aéreas como a GOL, cujas ações preferenciais despencaram 4,8 por cento, a 20,28 reais.

Para completar, o investidor seguiu pessimista com Vale, que anunciou na terça-feira uma oferta pública primária de ações para captar até 15 bilhões de dólares. As ações ordinárias da mineradora caíram 3,1 por cento, a 56,59 reais.

Na quinta-feira, o mercado terá mais elementos para avaliar as perspectivas de inflação e juros. O Banco Central divulga a ata da reunião da semana passada, quando o Comitê de Política Monetária elevou o juro básico de 11,75 por cento para 12,25 por cento ano.