Alta de alimentos leva IPCA a maior maio desde 1996

quarta-feira, 11 de junho de 2008 09:27 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) superou a previsão do mercado e registrou em maio a maior taxa para meses de maio desde 1996, pressionada mais uma vez pelos alimentos.

O índice subiu 0,79 por cento no mês passado, a maior variação mensal registrada desde abril de 2005, seguindo o avanço de 0,55 por cento apurado no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

Analistas consultados pela Reuters esperavam inflação de 0,66 por cento, de acordo com a mediana de 25 estimativas, que ficaram entre 0,50 e 0,71 por cento.

O IBGE informou que o grupo Alimentos e bebidas foi responsável por 54 por cento do IPCA de maio, ao registrar avanço de preços de 1,95 por cento no período, ante alta de 1,29 por cento em abril.

O destaque foi o aumento do arroz, de 19,75 por cento, a maior contribuição individual. Seguiram-se as altas do pão francês, de 4,74 por cento, e das carnes, de 3,45 por cento.

"Poucos alimentos escaparam da alta generalizada, sendo as frutas e o feijão carioca as exceções a serem destacadas", disse o IBGE em nota.

No ano, o grupo dos produtos alimentícios acumula avanço de 6,40 por cento, bem acima da variação registrada no mesmo período do ano passado, de 2,81 por cento.

Fora do grupo alimentação, as maiores altas de preços vieram de serviços bancários e artigos de limpeza.   Continuação...