Ministro boliviano diz que país vai reforçar segurança em campos

quinta-feira, 11 de setembro de 2008 11:43 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda boliviano, Luis Alberto Arce, afirmou nesta quinta-feira que o governo do país vai reforçar a presença militar nas áreas de produção de gás e petróleo para evitar novos danos às instalações e prejuízos às exportações.

"O governo está reforçando a militarização nos campos petroleiros e outros pontos suscetíveis a atos terroristas", afirmou Arce a jornalistas em Brasília, onde o ministro se encontra para negociar acordos bilaterais com autoridades brasileiras.

"As Forças Armadas estão retomando o controle de algumas localidades na fronteira com o Brasil", acrescentou Arce.

O operador dos gasodutos bolivianos, Transierra, que tem participação da estatal Petrobras, informou nesta quinta-feira que novos incidentes provocaram a redução pela metade no envio de gás natural para o Brasil.

A Bolívia fornece aproximadamente 30 milhões de metros cúbicos diários de gás ao Brasil, cerca da metade da demanda total do país.

Questionado se a situação na Bolívia poderia prejudicar as relações do país com o Brasil, Arce afirmou que o governo de Evo Morales não pode ser responsabilizado pelo que acontece.

"Estamos fazendo o necessário para ser um sócio confiável. O governo não está rompendo o contrato. Nenhum governo pode prever atos terroristas", afirmou.

O ministro mandou um alerta para os manifestantes de oposição, que enfrentam tropas do governo e na quarta-feira tomaram algumas instalações governamentais, como escritórios da Receita Federal.

"Que eles sentem para dialogar antes de buscar a violência e a morte. Não se trata de uma guerra civil."

(Reportagem de Ray Colitt)