Inflação acelera pela 1a vez desde 2003

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008 10:45 BRST
 

Por Vanessa Stelzer

SÃO PAULO (Reuters) - A inflação ao consumidor brasileiro acelerou no ano passado pela primeira vez desde 2003, em razão de um salto nos custos de alimentos resultante de fatores externos e internos de demanda e oferta.

Em 2008, a composição da inflação deve mudar, o que garantirá uma taxa inferior, mas muito próxima à do ano passado segundo o mercado. Enquanto os alimentos tendem a desacelerar a alta, os administrados, como tarifas, devem subir mais.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançou 4,46 por cento em 2007, ante alta de 3,14 por cento em 2006, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na sexta-feira.

A taxa do ano ficou ligeiramente abaixo do centro da meta de inflação do ano, de 4,5 por cento. A meta tem tolerância de 2 pontos percentuais para cima ou para baixo.

"Veio em linha com o que imaginava, com muito peso de alimentação, que foi o grande destaque do ano", afirmou Silvio Campos Neto, economista-chefe do Banco Schahin.

Em 2007, os preços de alimentos subiram 10,79 por cento, respondendo por 2,21 pontos percentuais, quase metade, do IPCA. O IBGE apontou como fatores para essa pressão "condições climáticas desfavoráveis, com chuvas intensas no primeiro semestre e longa estiagem no segundo; preços elevados dos produtos cotados no mercado internacional; aumento das exportações, favorecido por problemas climáticos em países produtores; redução de safra por baixa remuneração em períodos anteriores; e aumento da demanda por alimentos, tanto interna quanto externa".

O item carnes avançou 22,15 por cento e foi a maior contribuição para a inflação no ano. Em segundo lugar ficou o o item leite e derivados, com elevação de 19,79 por cento, e em terceiro o feijão, que saltou 109,20 por cento.

Por outro lado, a maior contribuição negativa de 2007 veio da tarifa de energia elétrica, cujo preço declinou 6,16 por cento. Com isso, os custos dos produtos não-alimentícios tiveram em 2007 a menos alta de 1998, de 2,83 por cento.   Continuação...