ANÁLISE-Alta de alimentos e juro é limitada em ações do varejo

quinta-feira, 12 de junho de 2008 13:13 BRT
 

Por Vanessa Stelzer

SÃO PAULO (Reuters) - A alta dos juros em curso no Brasil e os maiores preços de alimentos têm um impacto negativo de curto prazo sobre as empresas de varejo, mas a continuidade do crescimento da economia e a base sólida das companhias são fatores que poderão reverter quedas recentes das ações e mantendo esses papéis como investimentos a serem considerados neste ano, segundo analistas.

As ações da B2W acumulam queda de 0,1 por cento desde abril --mês do primeiro aumento neste ano do juro básico do país-- até quarta-feira. Em junho, quando o Banco Central fez a segunda alta, o recuo é de 13,8 por cento. As da Lojas Americanas recuaram desde abril 18,4 por cento e 5 por cento neste mês.

Os papéis da Renner têm alta de 3,9 por cento desde abril e queda de 2,5 por cento em junho. Já as ações da Saraiva acumulam alta em ambas as medidas.

Os papéis do Pão de Açúcar perderam quase 1 por cento desde abril, época em que as altas dos alimentos começaram a impactar a inflação com mais força.

"O mercado vai por impulso. Tem um acontecimento negativo e ele derruba as ações, mas depois que a empresa anuncia resultados (trimestrais) e eles continuam bons, o papel volta a subir", disse Peter Ping Ho, analista da Planner Corretora.

Ho descarta uma deterioração no resultado do Pão de Açúcar em decorrência do aumento dos preços de alimentação, um dos principais produtos do maior grupo de supermercados listado na bolsa.

"E se houve alguma queda em volume (de vendas de alimentos), pode até aumentar o faturamento da rede porque os preços estão maiores", afirmou ele.

Algumas corretoras chegaram a tirar o Pão de Açúcar de suas carteiras de recomendações em junho, mas os analistas dizem que esse movimento será revertido.   Continuação...