Inflação ao consumidor na China atinge o maior nível em 11 anos

terça-feira, 11 de dezembro de 2007 09:52 BRST
 

Por Eadie Chen e Simon Rabinovitch

PEQUIM (Reuters) - A inflação anual ao consumidor na China acelerou em novembro e atingiu 6,9 por cento, o maior patamar em 11 anos. Os novos sinais indicam que as pressões sobre preços estão passando dos alimentos para o resto da economia.

A China também registrou um superávit comercial de 26,3 bilhões de dólares em novembro, mostraram dados publicados nesta terça-feira. O saldo ficou abaixo do recorde de outubro, quando a balança comercial chinesa registrou um superávit de 27,1 bilhões de dólares. Ainda assim, o aumento das exportações chinesas foi pouco afetado pela desaceleração econômica norte-americana.

Os economistas estão atentos aos dados de inflação, que tem sido puxada, em grande medida, pelo comportamento dos custos com alimentos, que respondem por um terço do índice de preços ao consumidor.

Os dados indicam que as pressões já não se limitam apenas aos alimentos, que acumulam uma alta anual de 18,2 por cento em novembro. As pressões são sentidas em diversos segmentos da economia, de serviços públicos a custos com viagens.

Sem contar os alimentos, a inflação ao consumidor atingiu 1,4 por cento em novembro, na comparação com o mesmo período do ano passado, e acima do avanço de 1,1 por cento em outubro. A alta do mês passado foi a mais acentuada do ano.

A inflação ao consumidor chinês de 2007 deve ficar em 4,7 por cento, o que seria o patamar mais alto desde 1996, afirmou Yao Jingyuan, economista-chefe da agência de estatísticas do país.