Bancos brasileiros são opção barata entre os BRICs, diz Goldman

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008 12:57 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O banco de investimento Goldman Sachs anunciou nesta segunda-feira início de cobertura de ações de bancos brasileiros, afirmando perspectiva otimista para o setor e citando que o valor dos papéis das instituições brasileiras está relativamente baixo em relação a seus pares na Rússia, China e Índia.

Em relatório de 70 páginas assinado pelos analistas Jason Mollin e Carlos Macedo, o Goldman faz recomendações de compra de ação do Bradesco e de sua ADR com potencial de valorização em seis meses de 37 por cento para a primeira e 33 por cento para a segunda.

Para Itaú e sua ADR, o Goldman tem recomendação "neutra". Já Unibanco e Banco do Brasil aparecem com recomendação de "venda".

Para o Goldman, as recentes baixas no mercado acionário brasileiro, repercutindo a crise financeira global, somadas aos esforços do Banco Central para conter a inflação, definem um cenário de oportunidade de compra. O banco identifica tendência de aumento dos juros no país para enfrentar a inflação.

"Os preços das ações dos bancos brasileiros estão significativamente abaixo de seus níveis elevados do final de 2007, e mesmo com a mudança das condições (por exemplo juros maiores), as ações caíram mais do que os fundamentos indicariam", citam os analistas em referência à preocupação com inflação.

"Assim, os bancos brasileiros estão sendo negociados a múltiplos que podem parecer altos se comparados a seus pares em mercados desenvolvidos.... (Mas) ainda estão sendo negociados a preços menores se comparados aos múltiplos de companhias de serviços financeiros em outros BRICs", escreveram os analistas.

A previsão do Goldman é que os lucros do setor cresçam 22,2 por cento em 2008, numa base recorrente.

(Por Rodolfo Barbosa)