Inflação recorde na Grã-Bretanha reduz chance de corte de juros

segunda-feira, 12 de maio de 2008 08:43 BRT
 

LONDRES, 12 de maio (Reuters) - Os preços de produtos manufaturados e os custos ao produtor na Grã-Bretanha tiveram a maior taxa de expansão em pelo menos 22 anos em abril, segundo estatísticas oficiaiss apresentadas nesta segunda-feira, tornando mais incerta a perspectiva de corte na taxa de juros no mês que vem.

De acordo com o Office for National Statistics, os preços no atacado subiram 1,4 por cento em abril, em termos não ajustados, elevando o índice anual para 7,5 por cento. Ambos os índices são os maiores desde o início da série, em 1986.

Os preços ao produtor subiram ajustados 2,4 por cento no período, elevando a taxa anual para 23,1 por cento -- também alta recorde -- impulsionados por aumentos em combustíveis e alimentos.

A libra subiu e os futuros de taxas de juros caíram conforme os dados maiores que o esperado encorajaram os investidores a apostar que as taxas de juros podem não cair como o esperado este ano.

A expectativa é de que o Banco da Inglaterra corte as taxas de juros para 4,75 por cento em junho [BOE/INT], mas sinais de que os custos das matérias-primas ainda estão subindo e de que os fabricantes estão repassando parte desses aumentos para o consumidor podem colocar dúvida nos investidores.

"A perspectiva para a inflação ao produtor é muito preocupante para aqueles que decidem sobre a política monetária", afirmou David Page, economista no Investec.

Apesar do banco central inglês esperar que a inflação suba 3 por cento este ano, ele tem reduzido a taxa de juros em meio a temores de que a crise global de crédito possa acarretar uma forte desaceleração da economia britânica.