Governo volta a taxar investidor estrangeiro de renda fixa

quarta-feira, 12 de março de 2008 20:08 BRT
 

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - Os investimentos feitos por estrangeiros em títulos de renda fixa passarão a ser taxados com alíquota de 1,5 por cento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) a partir da próxima segunda-feira.

Esta foi a principal medida de um conjunto de três ações anunciadas nesta quarta-feira pelo governo destinadas a reduzir o fluxo de dólares para o país e a limitar a apreciação do real ante a moeda norte-americana.

"Nesse momento estamos nos ressentido do excesso de entrada de capital de curto prazo", afirmou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, ao justificar o aumento do imposto.

Segundo ele, o governo espera arrecadar 600 milhões de reais com essa tributação.

Ele argumentou que a medida, na prática, compensa a isenção de Imposto de Renda que o governo havia concedido aos rendimentos dessas aplicações, em fevereiro de 2006.

Na ocasião, a iniciativa foi vendida como importante para atrair investidores estrangeiros, mais propícios em aplicar em títulos públicos prefixados e de longo prazo, considerados melhores para o gerenciamento da dívida.

"Não precisamos manter esse privilégio... as condições de rentabilidade continuam muito atraentes", afirmou Mantega. Mesmo porque, argumentou, esses investimentos --que só em janeiro somaram 1,6 bilhão de dólares-- foram beneficiados pelo fim da CPMF.

Ele explicou que a nova taxação será feita sobre o capital principal do investimento, no momento do fechamento do contrato de câmbio.   Continuação...