Mortos por tremor chegam a quase 10.000 na China

segunda-feira, 12 de maio de 2008 19:15 BRT
 

Por Ben Blanchard

CHONGQING, China (Reuters) - O terremoto mais devastador das últimas três décadas na China matou quase 10.000 pessoas na segunda-feira na província de Sichuan e destruiu quase 80 por cento das edificações em um condado, segundo estimativas preliminares.

O tremor de magnitude 7,8 derrubou pelo menos oito escolas em pleno horário das aulas. Indústrias químicas e pelo menos um hospital também foram destruídos, segundo a imprensa estatal.

As equipes de resgate ainda não conseguiram chegar ao epicentro do tremor, Wenchuan, um condado com 112 mil habitantes a cerca de cem quilômetros de Chengdu, capital de Sichuan, segundo a agência estatal de notícias Xinhua. O número de mortos ainda deve crescer significativamente.

Mais de 7.000 mortos estavam no Condado Autônomo de Beichuan Qiang, que pertence a Sichuan. Ali, a imprensa estatal estima que 80 por cento das edificações foram destruídas.

"Estamos fazendo o que podemos, mas as estradas estão cobertas por pedras e rochedos", disse Li Chongxi, vice-presidente do Partido Comunista local.

A maior parte dos telefones de Wenchuan estão desligados. Um site de uma instância administrativa regional disse que o terremoto interrompeu várias estradas e afetou gravemente as telecomunicações em 11 condados.

Beichuan, que é parte da cidade de Mianyang, a cerca de 160 quilômetros de Chengdu, tem cerca de 161 mil habitantes, o que significa que aproximadamente 10 por cento foram feridos ou mortos.

Cerca de 900 adolescentes foram soterrados numa escola de três andares em Dujiangyan, que também fica na província de Sichuan. A população ainda conseguiu ajudar dezenas de alunos a saírem, e guindastes estão escavando o local sob o olhar preocupado dos pais, disse a Xinhua, que descreveu cenas de choro e sofrimento entre os soterrados. Na mesma cidade, há também centenas de soterrados sob os escombros de um hospital.   Continuação...

 
<p>Chineses se preparam para passar a noite narua depois do terremoto, em Mianyang, China, 12 de maio. Photo by Stringer</p>