Governo aposta R$21 bi na indústria para o país crescer mais

segunda-feira, 12 de maio de 2008 19:41 BRT
 

Por Mair Pena Neto e Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O governo lançou nesta segunda-feira uma política industrial para estimular o investimento, a inovação e as exportações, apoiado em uma renúncia fiscal de 21,4 bilhões de reais e incentivos às exportações nos próximos três anos.

Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, são medidas de simplificação e redução no custo do investimento e de estímulo às exportações para dar sustentação ao crescimento de longo prazo.

O governo espera compensar essa renúncia fiscal com o crescimento mais forte da economia. As desonerações superaram em muito as estimativas mais otimistas, que falavam em 8 bilhões de reais.

Batizada de Política de Desenvolvimento Produtivo, a nova diretriz beneficia 25 setores, com desonerações, desembolsos do BNDES e financiamentos a fundo perdido para inovação tecnológica.

"Vamos ter que refazer contas, se necessário vamos ter que fazer cortes e adequações nas despesas", disse a jornalistas o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, salientando o compromisso do governo na execução da nova política.

"O governo está fazendo esta aposta na desoneração, imaginando que isso vai ter um reflexo no crescimento da economia", completou.

Mantega sintetizou a política em quatro medidas fundamentais: a reativação do programa Revitaliza Exportação, no valor de 9 bilhões de reais; o barateamento do custo de capital, a redução do prazo de apropriação de créditos de PIS/Cofins na compra de bens de capital, de 24 para 12 meses, e a redução da contribuição patronal para a seguridade social de acordo com a participação das exportações no faturamento das empresas de Tecnologia da Informação.

"Conforme o volume exportado pela empresa (a redução) pode chegar a 10 pontos percentuais dos 20 existentes. E mais o custo do Sistema S, que representa 3,1 por cento", disse Mantega.   Continuação...