Varejo dos EUA vende mais, com ajuda de restituições

quinta-feira, 12 de junho de 2008 11:31 BRT
 

Por Joanne Morrison

WASHINGTON (Reuters) - As vendas no varejo dos Estados Unidos subiram 1,0 por cento em maio, mais que o esperado, depois que a restituição de impostos feita pelo governo deixou mais dinheiro disponível para as compras, mostrou um relatório nesta quinta-feira.

A alta reportada pelo Departamento de Comércio foi duas vezes maior que a prevista por economistas de Wall Street, mas foi vista apenas como temporária.

O aumento da gasolina deu impulso aos dados. Mas, mesmo com esses itens excluídos, as vendas no varejo cresceram 0,8 por cento, maior alta em um ano.

Economistas esperavam um aumento dos gastos no mês porque uma grande parcela da restituição federal incluída no plano de estímulo econômico já havia sido distribuída.

"Em nosso ponto de vista, a restituição está impulsionando temporariamente as vendas", disse Ian Shepherdson, economista-chefe da High Frequency Economics, em Valhalla.

As condições do mercado de trabalho, entretanto, estão piorando.

Um relatório do Departamento de Trabalho mostrou mais pessoas do que o previsto pedindo auxílio-desemprego na semana passada. As solicitações subiram para 384 mil, frente ao dado revisado de 359 mil na semana anterior.

Em um sinal de que o petróleo está contribuindo para as pressões inflacionárias na economia norte-americana, os preços dos importados subiram 2,3 por cento em maio, conforme o esperado, segundo o Departamento de Trabalho.

A alta trimestral de 7,9 por cento nos preços de importados foi a maior desde outubro de 1990.

(Reportagem adicional de Mark Felsenthal)