Manifestantes liberam ferrovia da Vale após protesto

quinta-feira, 12 de junho de 2008 17:38 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Manifestantes da Via Campesina desocuparam a Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), em Governador Valadares (MG), no final da tarde de quinta-feira, depois de paralisarem a circulação de ao menos 30 trens de carga da Vale durante todo o dia.

De acordo com a Vale, 300 manifestantes invadiram a linha no quilômetro 339, mas a Via Campesina afirma que foram 1.500 pessoas, que chegaram ao local de ônibus. Eles iniciaram o protesto por volta das 6h e só saíram no final da tarde.

"Foram 10 horas e meia de interrupção, o que prejudicou o transporte ferroviário de minério de ferro e outras cargas e de mais de mil passageiros que utilizam o trem como meio de transporte", afirmou a mineradora em nota.

"Mais de 30 composições, transportando em média 14 mil toneladas cada, deixaram de circular".

A Polícia Militar acompanhou a movimentação, e à tarde a Justiça Estadual da Comarca de Governador Valadares deferiu liminar determinando a reintegração de posse da ferrovia.

Os manifestantes reivindicam que a mineradora abra negociação com as 500 famílias da comunidade Pedra Corrida, "que serão desalojadas pela barragem de Baguari, construída pela empresa na divisa dos municípios de Valadares e Periquito", de acordo com comunicado da Via Campesina.

"Até o momento, nenhuma negociação foi realizada", acrescentou o movimento.

A manifestação também se deu porque não foram atendidas, segundo o movimento, as exigências relacionadas à construção da Barragem de Aimorés, pela Vale e Cemig, que teria desalojado mil famílias de quatro municípios que não foram reassentadas.

A Via Campesina afirma que essa já é a sexta movimentação do grupo apenas em Minas Gerais, enquanto a Vale afirma tratar-se da 15a invasão à empresa em todo o Brasil.

(Por Camila Moreira)