Venda da Namisa reúne gigantes com grande apetite por minério

sexta-feira, 12 de setembro de 2008 12:12 BRT
 

HONG KONG (Reuters) - O processo de escolha dos interessados na Namisa, unidade de mineração da Companhia Siderúrgica Nacional, deixou no páreo uma série de competidores com bolsos grandes e apetite alto, afirmaram fontes próximas à operação, sinalizando que a CSN pode vender uma participação majoritária.

Alguns analistas estimam que a venda pode avaliar a Namisa, a menor das unidades de mineração da CSN, em até 10 bilhões de dólares, mas pelo menos um analista afirmou que as expectativas de preço estão ficando muito exageradas. A expectativa é de que a venda seja realizada no final de setembro.

O maior grupo siderúrgico global, ArcelorMittal, um das companhias mais compradoras do mundo, está entre as interessadas na Namisa depois que ofertas finais foram apresentadas no início deste mês, segundo fontes próximas do processo de venda.

A Arcelor mostrou seu interesse em ativos de mineração no mês passado, quando concordou em pagar 810 milhões de dólares pelos ativos brasileiros de minério de ferro da London Mining, 50 por cento acima do valor de mercado da companhia, e de construir um porto de 250 milhões de dólares para envio de 10 milhões de toneladas por ano.

Além da Arcelor, estão envolvidas no processo a indiana Tata Steel e as cinco maiores siderúrgicas do Japão, junto com a trading Itochu . Várias fontes disseram que um consórcio liderado pela maior siderúrgica privada da China, Shagang Group, também participa da disputa.

"Se eles forem vender toda a empresa, então o processo é favorável à Arcelor ou às japonesas. Se for uma participação minoritária, serão os chineses", disse um representante de banco de investimento, que pediu para não ser identificado.

Todos os grupos estão buscando intensamente ativos de mineração e têm acesso a generosas fontes de financiamento. Fontes do setor financeiro afirmam que as companhias japonesas estão se tornando mais combativas diante da competição chinesa por ativos no mundo.

O Goldman Sachs, que assessora a operação, e a CSN querem vender 40 a 50 por cento da Namisa, mas complicaram a operação, que deve ter um vencedor anunciado em um mês, ao estabelecerem que vão considerar ofertas por toda a unidade. Nenhuma das partes comentou o assunto.

Um potencial aspecto pouco apelativo da Namisa é a necessidade do comprador cooperar com a CSN na questão de acesso a porto, algo que um executivo de uma trading japonesa disse que desanimou sua empresa de participar da operação.   Continuação...