COLUNA-Atividade anima, mas falta de infra-estrutura preocupa

segunda-feira, 12 de novembro de 2007 08:23 BRST
 

Por Angela Bittencourt

SÃO PAULO (Reuters) - A Proclamação da República brinda os brasileiros com mais um fim de semana prolongado, mas o feriado de quinta-feira não alivia a preocupação que pesa no mercado financeiro que vê a economia aquecida demais com infra-estrutura de menos. A articulação do governo em torno da votação da proposta de emenda constitucional (PEC) que prorroga a CPMF e a Desvinculação de Receitas da União (DRU) é alvo de atenção na abertura da semana que será embalada pela divulgação de mais algumas prévias da inflação de novembro.

É grande a expectativa do mercado com os novos índices que devem selar as projeções de inflação abaixo do centro da meta de 4,5 por cento neste ano, mas podem disparar alertas para o ano que vem.

"O aumento do preço do gás natural já sinalizado pelo governo é baixo na estrutura de ponderação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Já o gás de botijão tem participação razoavelmente elevada. Mas este será apenas mais um fator de pressão altista para a inflação de 2008", pondera Fábio Silveira, economista da RC Consultores.

Ele explica que ainda não ocorreram os repasses da alta dos preços agrícolas do atacado para o varejo. Mas eles virão.

"Até agora, elos intermediários da cadeia produtiva seguraram a alta de custos porque têm margem para absorver os impactos, mas as margens vão diminuindo porque estamos com a economia mais aquecida e adicionando outras pressões de custos com razoável consistência."

Silveira classifica como "persistentes, consistentes e prolongados", os reajustes salariais e os índices de preços no atacado, representados pelos IGP's, que já estão acumulando variações entre 5,5 e 6,0 por cento em 12 meses.

AJUSTE ESTRUTURAL E GLOBAL

"Esses índices serão aplicados na correção de alguns preços administrados e contratos, inclusive de aluguel, em 2008. O aumento do preço do gás também repercutirá na economia, e este aumento não tem apenas uma feição política. Tem fundamento econômico", diz Silveira.   Continuação...