12 de Setembro de 2008 / às 17:45 / em 9 anos

Depois do Besc, BB negocia preço de Nossa Caixa com SP

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - Após anunciar que submeterá à sua assembléia de acionistas a incorporação do Banco do Estado de Santa Catarina no final deste mês, o Banco do Brasil informou nesta sexta-feira que ainda negocia com o Estado de São Paulo o preço da Nossa Caixa, próximo alvo da instituição estatal.

"Estamos em um processo muito forte de negociação na Nossa Caixa", afirmou Aldo Mendes, vice-presidente de Finanças do BB a jornalistas. "Estamos tentando chegar a um acordo de preço."

Ele se disse "otimista" com as negociações em torno do banco estatal paulista, mas afirmou não ser possível prever quando o entendimento poderá ser fechado com São Paulo nem com o governo do Distrito Federal, de quem o BB pretende adquirir o Banco Regional de Brasília (BRB).

Mendes afirmou ainda que a incorporação do Banco do Estado do Piauí, que como o Besc já foi federalizado, deverá ser submetida à assembléia até dezembro deste ano.

No caso do grupo Besc, caso o acordo seja aprovado pelos acionistas em 30 de setembro, ele será vendido pelo valor de 685 milhões de reais a serem pagos em ações.

O valor inclui a incorporação do banco e da Bescri --braço da instituição catarinense para crédito imobiliário.

O Besc tem ativos no valor de 6,943 bilhões de reais e patrimônio líquido de 438 milhões de reais, que correspondem a, respectivamente, 1,67 por cento e 1,66 por cento dos números do BB.

SINERGIAS

O ex-banco estadual é líder em agências em Santa Catarina, com um total de 253, e o segundo banco, depois do BB, em contas correntes, com 691 mil.

O BB se comprometeu em acordo a manter a marca Besc por um período de pelo menos 5 anos e também a preservar pelo menos uma agência de uma das duas instituições por município catarinense.

Segundo Mendes, o BB não tem a intenção de demitir funcionários do Besc, que somam 3.375. Apesar de destacar que o banco do Estado é intensivo em mão-de-obra e que o objetivo é adequá-lo aos padrões de eficiência e de tecnologia do BB em um prazo de até 10 anos, o executivo argumentou que o BB pode ter condições de incorporar funcionários redundantes no Estado em outras regiões.

Além disso, do total de funcionários, cerca de 500 já aderiram a um programa de desligamento incentivado lançado em 2002 e poderão ser dispensados, sem custos para o BB.

Os ganhos com todas as sinergias obtidas com a incorporação somarão 1 bilhão de reais em 10 anos, afirmou Mendes.

O BB emitirá um total de 23 milhões de novas ações, obedecendo-se à relação de 1 ação do BB para cada 12,133 ações ON, PNA ou PNB do Besc e 1 ação do BB para cada 1.592 ações ON do Bescri.

Essa relação, segundo Mendes, foi calculada comparando-se o valor de mercado do BB com os valores econômicos do Besc --cujas ações tem atualmente liquidez muito baixa.

A expectativa do BB é que a emissão das ações para a concretização do negócio só ocorra em janeiro de 2009, após vencidos os prazos legais para a publicação da ata, cumprimento do direito de recesso e convocação de nova assembléia para homologar o novo capital social da instituição.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below