ATUALIZA-Déficit comercial dos EUA diminui apesar de petróleo

terça-feira, 12 de agosto de 2008 12:18 BRT
 

(Texto atualizado com mais informações e comentários de analistas)

Por Doug Palmer

WASHINGTON, 12 de agosto (Reuters) - O déficit comercial dos Estados Unidos diminuiu inesperadamente em junho, quando o dólar fraco ajudou a impulsionar as exportações e compensou os preços recordes do petróleo importado, mostrou um relatório do Departamento de Comércio nesta terça-feira.

O déficit totalizou 56,8 bilhões de dólares, abaixo da leitura revisada de 59,2 bilhões de dólares de maio. O dado mensal também foi muito menor que a estimativa média de 61,5 bilhões de dólares feita por analistas.

Tanto as exportações quanto as importações de produtos e serviços bateram recorde em junho, mas as exportações aumentaram 4,0 por cento em comparação com a alta de 1,8 por cento das importações.

A balança comercial dos Estados Unidos tem sido um dos segmentos melhores da economia, que enfrenta um profundo declínio no mercado imobiliário e crise de crédito.

O comércio exterior contribuiu com 2,4 pontos percentuais para o crescimento econômico no segundo trimestre, que teria se contraído 0,5 por cento sem esse auxílio, de acordo com estimativas preliminares.

Os números comerciais de junho são "levemente favoráveis para o Produto Interno Bruto (PIB) do segunto trimestre. As importações serão um empecilho menor ao crescimento econômico do que pareciam antes. Mas importações baixas ainda refletem a fraqueza geral da economia dos Estados Unidos", disse Gary Thayer, economista sênior do Wachovia Securities, em St. Louis.

O déficit menor que o esperado "irá ajudar a dar continuidade ao crescimento no terceiro trimestre", disse Kurt Karl, economista-chefe para Estados Unidos do Swiss Re em Nova York. Mas a redução do déficit comercial é também mais uma evidência de que a economia dos EUA está em recessão, porque mostra que os consumidores estão comprando menos, acrescentou.

O déficit totalizou 351,4 bilhões de dólares nos primeiros seis meses do ano, ante 358,4 bilhões de dólares no mesmo período de 2007.