ANÁLISE-Possível fusão BHP-Rio aumentará concorrência no Brasil

segunda-feira, 12 de novembro de 2007 17:43 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 12 de novembro (Reuters) - O Brasil está na mira dos gigantes da mineração mundial, que correm para descobrir novos depósitos a fim de abastecer a grande demanda por metais de países de forte crescimento como a China.

Analistas dizem que a possível aquisição da Rio Tinto (RIO.L: Cotações) pela BHP Billiton (BLT.L: Cotações) aumentará a concorrência para a Companhia Vale do Rio Doce (RIO.N: Cotações) (VALE5.SA: Cotações) no principal campo de atividade da empresa, o Brasil, onde estão localizadas as mais ricas reservas de minério ferro do mundo.

Consultores de mineração no Brasil disseram nesta segunda-feira que tal aquisição seria boa para novos projetos e que é pouco provável que desencadearia restrições antitruste no segundo maior exportador de minério de ferro após a Austrália.

A Vale é a maior companhia exportadora de minério do mundo.

A BHP, maior mineradora mundial, delineou nesta segunda-feira seu plano para comprar a Rio Tinto, sinalizando estar pronta para uma longa batalha, apesar de a rival ter rejeitado uma proposta de 140 bilhões de dólares na semana passada, considerando o valor muito baixo.

As duas mineradoras estão buscando expandir suas operações de minério de ferro no Brasil.

"Uma fusão desta magnitude pode abrir um enorme leque de possibilidades e a busca de sinergias", disse Cyro Cunha Melo Filho, da PriceWaterhouseCoopers.

"Acreditamos que o Brasil pode se tornar uma área prioritária de investimentos por parte destas companhias se elas se fundirem", acrescentou.

Representantes da Rio Tinto e da BHP no Brasil não estavam disponíveis para comentários.   Continuação...