Contenção da inflação trará sacrifícios, diz Coutinho

quinta-feira, 12 de junho de 2008 18:28 BRT
 

Por Vanessa Stelzer

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, disse nesta quinta-feira que o Brasil poderá passar por uma período de sacrifícios enquanto o governo trabalha para manter a inflação sob controle, o que inclui aumentos na taxa de juros e nas despesas da população de baixa renda.

Ele ressaltou que a atual aceleração da inflação é transitória já que decorre principalmente do aumento internacional dos preços do petróleo, dos metais e das commodities agrícolas e que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu para toda a equipe do governo trabalhar para conter os preços.

"Podemos até passar por um período de um pouco de sacrifício mas o essencial é ter a manutenção da inflação sobre controle, que é o cimento da confiança de que a economia e seus fundamentos continuarão organizados e que as taxas de juros de médio e longo prazo serão cadentes", disse Coutinho em evento da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

"A inflação é ruim para as classes de renda mais baixa... a alta do juro é um sacrifício transitório", acrescentou.

Segundo o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, a contenção dos preços garantirá também a continuidade do atual ciclo de investimento.

O mercado prevê que a inflação atingirá 5,55 por cento em 2008, segundo o último relatório Focus acima do centro da meta perseguida pelo governo de 4,5 por cento.

DESEMBOLSOS

Coutinho disse que o BNDES irá buscar recursos de várias fontes e mais diversificadas para complementar o dinheiro disponível para seus desembolsos.

"Estamos em tratativas com o Tesouro e vamos ao mercado... nossa tarefa é buscar complementar os nossos recursos", disse ele sem dar mais detalhes.