Serra é vaiado por estudantes e diz que falta tempo para 2010

terça-feira, 12 de agosto de 2008 17:59 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Presente à cerimônia de projeto de lei que propõe indenização à União Nacional dos Estudantes (UNE) pela destruição de sua sede, o governador de São Paulo, José Serra, ex-presidente da entidade, foi vaiado pela platéia formada majoritariamente por estudantes.

Ao ter seu nome anunciado, na condição de ex-presidente da UNE em 1963-1964, ano do golpe militar, Serra recebeu vaia dos estudantes e respondeu:

"Calma, calma, ainda falta muito tempo para 2010", disse Serra, do alto do palanque montado no Aterro do Flamengo. O governador é potencial candidato à sucessão de Lula. Mais cedo, ao visitar o terreno da UNE, cujo prédio foi incendiado pela ditadura em 1964, Serra se disse emocionado ao voltar ao local e defendeu o projeto de lei encaminhado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva como uma importante reparação do Estado brasileiro.

"No que depender de mim, o PSDB vai apoiar o projeto de lei", disse o governador.

Entre outros ex-presidentes da UNE também estava Aldo Rebelo (1980-1981), cujo nome não foi citado por ser candidato a vice-prefeito de Marta Suplicy, em São Paulo.

Adversário de Serra na eleição presidencial de 2002, Lula fez questão de defendê-lo quando chegou sua vez de discursar.

"Queria dizer para vocês da minha alegria de estar aqui, pelo fato de o Serra estar aqui junto comigo, com a UNE, na forma mais civilizada e democrática possível", disse Lula.

"Somos adversários quando tiver disputa política, mas somos amigos na construção da democracia desse país. Que não é mérito do Serra, nem meu, mas conquista de vocês e daqueles que morreram e não estão aqui", acrescentou.

Lula também foi alvo de manifestações. Funcionários de autarquias e agências reguladoras fizeram apitaço contra o não cumprimento de acordo salarial firmado em junho desse ano. Segundo os manifestantes, o presidente tinha se comprometido a enviar o aumento via medida provisória, mas decidiu criar um projeto de lei para o tema, o que retarda o seu trâmite no Congresso. (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)