March 13, 2008 / 12:43 PM / in 9 years

Eleições da Sérvia são marcadas no dia 11 de maio

4 Min, DE LEITURA

<p>Tadic assina documento dissolvendo o parliament e convocando elei&ccedil;&otilde;es parlamentares em Belgrado REUTERS. Photo by Reuters (Handout)</p>

BELGRADO (Reuters) - O presidente da Sérvia, Boris Tadic, dissolveu o Parlamento na quinta-feira e convocou eleições gerais para 11 de maio. Essa votação está sendo considerada a mais importante da Sérvia desde a queda de Slobodan Milosevic, em 2000.

Há 10 meses no poder, o governo entrou em colapso no fim de semana, quando o primeiro-ministro nacionalista Vijslav Kostunica apontou a falta de articulação na sua coalizão com os liberais pró-Ocidente, na discussão sobre se é melhor brigar por Kosovo ou por um lugar na União Européia.

"A eleição é uma maneira democrática dos cidadãos dizerem como a Sérvia deve se desenvolver nos próximos anos", disse Tadic, em comunicado. Ele também é o chefe do Partido Democrático, que é pró-Ocidente.

Ele pediu uma "campanha justa em uma atmosfera pacífica e democrática, para que a Sérvia obtenha instituições estáveis que funcionem de forma efetiva".

As eleições serão uma disputa acirrada entre os Democratas de Tadic e os Radicais nacionalistas, o partido mais forte da Sérvia, que deve se beneficiar com a irritação gerada pela independência de Kosovo, obtida no mês passado.

Analistas prevêem demorados debates em torno de uma eventual coalizão, que podem atrasar reformas e abalar a confiança dos investidores, já desconfiados depois que Belgrado retirou seus embaixadores dos Estados que reconheceram a independência da antiga província da Sérvia e de violentos protestos foram feitos em embaixadas e empresas estrangeiras.

A Standard & Poor's reviu negativamente suas perspectivas para a Sérvia nesta semana, ao notar o impacto que um governo anti-União Européia teria nas reformas e políticas macroeconômicas.

Os políticos liberais da Sérvia têm dado um caráter plebiscitário à votação. Para eles, os sérvios decidirão se querem ou não tentar se juntar à União Européia mesmo que o bloco tenha apoiado a independência de Kosovo.

"Em 11 de maio, determinaremos qual o caminho a Sérvia vai seguir", disse o vice-primeiro ministro Bozidar Djelic, dos Democratas, na quarta-feira. "Precisamos de um novo entusiasmo e de um caminho bem determinad em direção à União Européia."

Espera-se que os Radicais centrem sua campanha na questão de Kosovo, nos benefícios de uma relação próxima aos poderes não-Ocidentais, como a Rússia, e no fracasso de oito anos de governo pró-Ocidente em cumprir suas promessas de uma vida melhor.

O secretário-geral do partido, Aleksandar Vicic, disse que, embora a questão da Europa seja importante, ela esconde outros pontos cruciais, como "como resolver os problemas do nosso cotidiano".

"Queremos que a Sérvia faça parte da UE tendo Kosovo como sua província", disse Vucic à emisora independente B92. "Mas nós também queremos que as pessoas vivam melhor e tenham alguém responsável por seus problemas cotidianos."

(Reportagem de Ellie Tzorzi)

Reuters Mr Es

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below