Geórgia acusa Rússia de incursão militar, mas russos negam

quarta-feira, 13 de agosto de 2008 12:04 BRT
 

Por James Kilner

IGOETI, Geórgia (Reuters) - A Geórgia acusou a Rússia de romper na quarta-feira um cessar-fogo ao enviar seus soldados da região separatista da Ossétia do Sul para outros territórios georgianos, mas o governo russo negou ter realizado qualquer incursão.

Um correspondente da Reuters presente em uma importante via de ligação entre Tbilisi e a cidade de Gori não viu tanques russos na estrada e nem ouviu relatos de testemunhas sobre a movimentação de tanques em outros pontos.

Refugiados georgianos vindos dali falaram sobre casos de saque perpetrados por ossetianos e por milícias do norte do Cáucaso (Rússia) dentro e nas cercanias da cidade de Gori.

Testemunhas contaram que soldados russos haviam montado ao menos dois postos de controle a vários quilômetros de Gori, que fica 25 quilômetros ao sul de Tskhinvali, a principal cidade da Ossétia do Sul e que atualmente se encontra sob controle russo.

Autoridades da Rússia rebateram as acusações da Geórgia sobre seus soldados estarem em Gori. O Estado-Maior russo mais tarde negou as informações de que suas forças estariam se locomovendo rumo à capital georgiana.

"Nenhum soldado ou veículo blindado russo desloca-se rumo a Tbilisi", disse à Reuters o coronel-general Anatoly Nogovitsyn, vice-chefe do Estado-Maior da Rússia.

O presidente georgiano, Mikheil Saakashvili, disse que forças russas haviam rompido o cessar-fogo anunciado na terça-feira pelo presidente russo, Dmitry Medvedev.

"Neste momento, tanques russos estão atacando Gori", afirmou Saakashvili em uma entrevista coletiva.   Continuação...