Lei, e não preços dos grãos, prejudica biocombustível--Abengoa

terça-feira, 13 de maio de 2008 12:46 BRT
 

Por Martin Roberts

SEVILHA, 13 de maio (Reuters) - A legislação e baixos preços no atacado do etanol estão reduzindo as margens de produção do biocombustível, e não os altos preços dos grãos, afirmou na terça-feira a maior produtora de etanol da Espanha, a Abengoa (ABG.MC: Cotações).

Javier Salgado, chefe-executivo da unidade de renovávesis da empresa, afirmou que a Espanha falhou em adotar uma legislação para determinar níveis mínimos de etanol misturados à gasolina, em linha com o objetivo de 5,75 por cento até 2010 recomendado pela União Européia.

"Tudo que estamos pedindo que o governo faça é aceitar e executar a diretriz e legislar", disse Salgado na abertura de uma convenção de biocombustíveis em Sevilha.

O segundo problema é que as empresas de energia estão pagando preços mais baixos no atacado pelo etanol em relação à gasolina, mas vendendo ao mesmo preço de varejo para o consumidor.

"Essa é a monstruosidade, e o principal motivo pelo qual as margens na indústria de etanol estão sofrendo", completou Salgado.

Em setembro a Abengoa suspendeu a produção em sua usina de etanol de 158 mil toneladas por ano -- a maior do país -- na província central de Salamanca.

Questionado sobre por quanto tempo a usina de Salamanca poderia continuar fechada na ausência de uma legislação apropriada, Salgado respondeu: "Francamente, para sempre".

Produtores de biocombustíveis na Espanha reclamam do papel dominante de grandes refinarias na distribuição de gasolina e diesel na Espanha.   Continuação...