Bolsas da Ásia fecham semana com maior queda em 10 meses

sexta-feira, 13 de junho de 2008 08:10 BRT
 

Por Kevin Plumberg

HONG KONG (Reuters) - As principais bolsas asiáticas fecharam em alta nesta sexta-feira, mas os temores de inflação que também afetaram os bônus fizeram os mercados registrarem sua maior desvalorização semanal desde o início da crise de crédito há dez meses.

O petróleo era cotado a 135,32 dólares o barril, pouco abaixo do recorde histórico de 139,12 dólares da semana passada.

"Os fatores macroeconômicos continuam ruins, com a força persistente do petróleo e a pressão inflacionária em meio ao desaquecimento econômico global", afirmou Bae Sung-young, analista de mercado na Hyundai Securities, em Seul.

O índice Nikkei da bolsa de TÓQUIO fechou em alta de 0,61 por cento, aos 13.973 pontos, mas registrou a maior queda semanal em três semanas. Uma recuperação do dólar nos últimos três meses estimulou a demanda por ações de empresas exportadoras como a Honda Motor e Canon.

A bolsa de SEUL teve valorização de 0,46 por cento, para 1.747 pontos, impulsionada pela gigante de tecnologia Samsung Electronics . Contudo, o índice teve sua maior queda semanal em 2008, perdendo 4,9 por cento.

A bolsa de SYDNEY subiu 0,9 por cento, ajudada por ações de empresas de base. A companhia de investimentos Babcock & Brown despencou 23,91 por cento por temores acumulados acerca dos débitos da empresa e de sua capacidade de levantar fundos, fazendo a companhia se desvalorizar cerca de 50 por cento em dois dias.

O índice MSCI da Ásia acumulou queda de 6,2 por cento na semana, maior desvalorização desde 19 e agosto. Já o índice global caiu por cinco sessões seguidas, atingido o menor patamar em dois meses.

"Quase todos os dados econômicos -- desde vendas no atacado no Japão até preços aos produtores no Reino Unidos e o CPI na China reafirmaram os temores de que a inflação está fora de controle", afirmaram analista da State Street Global Markets em relatório. "Francamente, não há um bom motivo para comprar bônus de governo neste ambiente."   Continuação...