Visita americana ao Paquistão aumenta temores de ataque dos EUA

domingo, 13 de julho de 2008 11:25 BRT
 

Por Robert Birsel

ISLAMABAD (Reuters) - O chefe do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos, almirante Mike Mullen, visitou o Paquistão no fim de semana, alimentando especulações de que os EUA podem estar prestes a atacar militantes no noroeste do Paquistão.

O Paquistão vem sendo aliado estreito dos EUA na campanha global contra o terrorismo, mas os EUA estão cada vez mais frustrados com o que vêem como ações insuficientes de Islamabad no combate a militantes na região de sua fronteira com o Afeganistão.

Uma porta-voz da embaixada americana confirmou que Mullen fez uma viagem de um dia ao Paquistão no sábado, mas disse que não tinha mais detalhes a informar. Não foi possível obter comentários de representantes militares ou do governo do Paquistão.

Jornais paquistaneses disseram que Mullen, em conversações com comandantes militares e os líderes do novo governo paquistanês, expressou frustração profunda com os crescentes ataques de militantes na fronteira e pediu ações decisivas para pôr fim a eles.

O cinturão semi-autônomo tribal pashtu paquistanês na fronteira afegã tornou-se refúgio de militantes do Taliban e da Al Qaeda que combatem soldados ocidentais no Afeganistão e forças de segurança do Paquistão. Quinze soldados foram mortos na região no sábado.

O Pentágono informou no mês passado que locais que abrigam insurgentes no Paquistão são a maior ameaça à segurança do Afeganistão.

Paquistão excluiu a possibilidade de autorizar a entrada de tropas estrangeiras em seu solo, mas aviões espiões não tripulados dos EUA vêm aumentando seus vôos e ataques no lado paquistanês da fronteira.

Em Washington, na sexta-feira, o chanceler paquistanês Shah Mahmood Qureshi assegurou aos EUA que seu país está fazendo tudo que pode para combater os militantes na fronteira.   Continuação...