Irã "cortará mãos" de quem o atacar, diz presidente

domingo, 13 de julho de 2008 11:04 BRT
 

TEERÃ (Reuters) - O presidente do Irã afirmou que as forças militares do país cortarão fora as mãos de seus inimigos antes mesmo deles colocarem os dedos no gatilho, de acordo com informações da mídia local.

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, fez o comentário um dia depois que uma importante autoridade do Irã afirmou que o país atacará Israel e bases norte-americanas na região se a república islâmica for atacada por causa de seu polêmico programa nuclear.

Líderes norte-americanos não excluem opções militares se a diplomacia não conseguir amenizar os temores sobre as atividades nucleares do Irã, que é o quarto maior país produtor de petróleo do mundo e afirma usar suas atividades atômicas para produção de energia.

Washington e outras potências ofereceram negociar um fim para a disputa, mas afirmam que o Irã precisa primeiro interromper trabalhos atômicos considerados sensíveis. Essa demanda é rejeitada pelo Irã e Ahmadinejad disse que quem definirá condições para as negociações será Teerã.

"Antes dos inimigos colocarem as mãos no gatilho, as forças armadas cortarão as mãos deles", afirmou o presidente iraniano segundo a agência oficial de notícias IRNA. Israel, que especialistas há tempos assumem que possui seu próprio arsenal nuclear, jurou impedir que o Irã se torne uma potência com armas atômicas.

No mês passado, o país promoveu um exercício militar aéreo que levantou especulações sobre um possível ataque a instalações nucleares iranianas.

O Irã prometeu contra-atacar Tel Aviv, bem como alvos norte-americanos se for agredido. O país afirmou que mísseis disparados em treinamento na semana passada incluem modelos que poderiam atingir Israel e bases norte-americanas na região.

Ahmadinejad afirmou que as armas disparadas no exercício militar da Guarda Revolucionária, treino que foi condenado por potências ocidentais, foram apenas uma pequena parte das capacidades de defesa do Irã.

"No evento da necessidade, partes adicionais de nossos recursos de defesa serão disponibilizadas para o mundo ver", disse o presidente iraniano.