BOVESPA-Índice cai, puxado por Wall Street; Petrobras resiste

terça-feira, 13 de maio de 2008 11:45 BRT
 

SÃO PAULO, 13 de maio (Reuters) - Depois de estabelecer nova pontuação recorde logo nos primeiros minutos de negócios, a Bolsa de Valores de São Paulo perdia força e passava a operar no vermelho, na esteira do movimento negativo de Wall Street.

Às 11h39, o Ibovespa .BVSP apontava declínio de 0,2 por cento, aos 70.276 pontos. O giro financeiro era de 1,8 bilhão de reais.

"Lá fora não está ajudando muito", disse o operador André Hanna, da corretora Interfloat.

"Está havendo uma pequena realização de lucro", afirmou Hamilton Moreira, analista senior de investimentos da BB Investimentos.

Na Bolsa de Nova York, o índice Dow Jones .DJI recuava 0,2 por cento, depois que o chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, ter dito pela manhã que as medidas do Fed para aumentar a liquidez ajudaram a diminuir a tensão no mercado financeiro, mas que o processo de recuperação continua incompleto.

Na bolsa paulista, a pressão negativa sobre o índice era amortecida pelo bom desempenho das ações da Petrobras e da TAM, cuja divulgações de resultados do primeiro trimestre animaram o mercado.

Os papéis preferenciais da petroleira (PETR4.SA: Cotações) subiam 2,1 por cento, a 46,72 reais, liderando a ponta positiva do índice. Na segunda-feira à noite, a Petrobras informou ter registrado lucro líquido de 6,92 bilhões de reais no primeiro trimestre deste ano, 68 por cento maior que em igual período do ano passado.

O resultado acima do esperado levou a corretora Brascan a reforçar a recomendação de compra para os papéis da companhia.

Logo atrás vinham as ações preferenciais da TAM TAMM4.SA, com elevação de 2 por cento, a 37,60 reais. A companhia aérea anunciou no início da manhã que teve lucro líquido de 2,6 milhões de reais no primeiro trimestre, ante resultado positivo de 59,2 milhões de reais do primeiro quarto do ano passado. No entanto, sua receita líquida, de 2,26 bilhões de reais, cresceu 23 por cento na mesma base de comparação.

(Reportagem de Aluísio Alves e Rodolfo Barbosa; Edição de Alexandre Caverni)