Gabeira e Paes rompem pacto de não-agressão durante debate

segunda-feira, 13 de outubro de 2008 07:14 BRT
 

Por Carla Marques

RIO DE JANEIRO, 13 de outubro (Reuters) - Após uma semana marcada por polêmicas que colocam em xeque a capacidade de Fernando Gabeira (PV) de conquistar moradores da Zona Oeste --região que concentra 1 milhão de eleitores e graves problemas sociais--, o candidato e seu concorrente, Eduardo Paes (PMDB), romperam o acordo de não realizarem ataques pessoais durante o segundo turno das eleições cariocas.

Em debate realizado pela TV Bandeirantes, na noite de domingo, Paes chegou a pedir tranquilidade ao rival e criticar o clima de "agressõezinhas pessoais". Desde os primeiros momentos do encontro, Gabeira demonstrou ter sido abalado pelos rumos de sua popularidade na Zona Oeste.

Depois de afirmar que uma vereadora aliada era "analfabeta política" e tinha "visão suburbana", em conversa telefônica flagrada por jornalistas, e ter enfrentado manifestação de moradores da região --investigada pelo Tribunal Regional Eleitoral por suspeita de envolvimento do PMDB-- Gabeira classificou a campanha de segundo turno como "negativa" e de "baixo nível".

Por duas vezes, ele reclamou por ter sido chamado de "macaco Tião da classe média" em evento político de Paes. Gabeira afirmou que o adversário está atiçando a população contra ele.

A duas semanas do fim da eleição, os candidatos acirraram o nível do embate, trocando acusações sobre seus apoios partidários e sobre o perfil de político que representam.

Após Gabeira ter respondido quais projetos parlamentares de sua autoria beneficiaram a cidade --os herbários do Jardim Botânico e do Museu da Quinta da Boa Vista, a construção do Centro Cultural Tom Jobim no Jardim Botânico e a captação de recursos para programas voltados a "jovens marginais"-- o peemedebista replicou com ironia:

"Eu tenho me dedicado a essa cidade. Eu não fiquei só me preocupando com herbário do Jardim Botânico, que é até uma iniciativa importante, mas eu me preocupei com a saúde da população, com os problemas que essa cidade enfrentava".

Paes acusou Gabeira de fazer "turismo eleitoral" no Rio, de se preocupar com "problemas intergalácticos", de ser uma pessoa distante da realidade carioca e de ter "propostas pitorescas": "Às vezes acho que Gabeira está descobrindo o Rio de Janeiro".   Continuação...