Marta parte para o ataque em debate com Kassab na TV

segunda-feira, 13 de outubro de 2008 07:01 BRT
 

Por Carmen Munari

SÃO PAULO, 13 de outubro (Reuters) - No primeiro debate do segundo turno da eleição em São Paulo, a candidata Marta Suplicy (PT), em desvantagem nas pesquisas de intenção de voto, partiu para o ataque e foi incansável nas críticas à gestão e ao passado político do prefeito Gilberto Kassab (DEM).

O candidato ficou na defensiva no início e ganhou fôlego no transcorrer do programa, trazendo para o enfrentamento até o caso do mensalão. Rechearam os ataques dos dois candidatos expressões coloquiais como "impressionante" e "mentira deslavada".

Marta, prefeita entre 2001 e 2004, buscou, na maior parte das duas horas do debate realizado pela TV Bandeirantes na noite de domingo, identificar Kassab com o ex-prefeito Celso Pitta, de quem ele foi secretário do Planejamento e que deixou a prefeitura debaixo de um escândalo. O ex-prefeito Paulo Maluf (PP) também esteve entre as identidades.

Na crítica mais contundente, disse que Kassab "se traveste" de tucano e que é o último líder de um "partido em extinção", o PFL (que atualmente se chama DEM).

"Eu ando com o (presidente Luiz Inácio) Lula (da Silva), tenho muito orgulho disso. Você anda com Maluf e Pitta, é importante a população saber. A minha (trajetória), não tenho nenhum problema em assumir", disse Marta.

O prefeito por sua vez lembrou que Maluf apoiou Marta em 2004 e faz parte da base do governo federal.

"O seu maqueteiro está de parabéns porque fez uma propaganda que as pessoas puderam ter uma idéia do Kassab da propaganda, aquele que promete coisas que o Kassab prefeito não faz. Agora, não vi na sua propaganda falar da sua trajetória, que as pessoas não conhecem. As pessoas não sabem que você é do DEM. Você aparece travestido de tucano, tenta enganar a população se dizendo tucano. Você é o líder que sobrou do PFL no Brasil, é quem vai capitanear um partido em extinção dos coronéis do Nordeste", atacou Marta.

Kassab, vice de José Serra na prefeitura, assumiu o posto em março de 2006 quando o tucano deixou o cargo para disputar o governo. A gestão, porém, é tocada em sua maioria por integrantes do PSDB.   Continuação...