PANORAMA2-Inflação sobe nos EUA, mas núcleo acalma bolsas

sexta-feira, 13 de junho de 2008 17:55 BRT
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 13 de junho (Reuters) - A inflação ao consumidor nos Estados Unidos mostrou dados ambíguos nesta sexta-feira. Enquanto as bolsas aproveitaram a alta modesta do núcleo dos preços, o dólar se valorizou no mercado global embalado pelas perspectivas de juros mais altos nos EUA devido à inflação geral.

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI) avançou 0,6 por cento em maio com a pressão dos custos com energia, especialmente gasolina. O resultado, acima do esperado, deu força à tese de que o Federal Reserve prepara um aumento do juro neste ano para conter a inflação.

A perspectiva de alta do juro nos Estados Unidos torna as aplicações no país mais atraentes, valorizando o dólar. A moeda norte-americana se encaminhava para terminar a melhor semana em três anos em relação a uma cesta com outras divisas .DXY.

Mas a alta de apenas 0,2 por cento do núcleo do índice, que exclui os voláteis preços de alimentos e energia, aliviou o mercado ao mostrar que a ameaça inflacionária parece estar contida. Em Wall Street, os principais índices tiveram alta de mais de 1,3 por cento.

"Havia uma preocupação no começo da semana que o CPI pudesse sair da linha, mas veio de acordo com as expectativas e isso foi um alívio. Nós vimos que o mercado respondeu favoravalmente", disse Bucky Hellwig, vice-presidente sênior do Morgan Asset Management, em Birmingham, Alabama.

O Brasil não teve nenhum indicador de inflação, mas aqui a tensão sobre o tema continuou presente na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). A expectativa de que as projeções do mercado se mostrem ainda mais deterioradas na segunda-feira pressionou os juros futuros, que tiveram mais uma sessão de alta.

O dólar ficou sem rumo definido em relação ao real, oscilando de acordo com o fluxo, e fechou praticamente estável. A Bolsa de Valores de São Paulo teve um pregão volátil e terminou em queda, puxada pelas ações dos setores de telecomunicações e siderúrgicas.

  Continuação...