PERFIL-Minc, o ecologista que acelerou licenças ambientais no RJ

terça-feira, 13 de maio de 2008 20:45 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Ativista, ecologista e "socialista libertário", como gosta de se classificar, o carioca Carlos Minc chega ao Ministério do Meio Ambiente credenciado pela celeridade que deu aos processos de licenciamento ambiental para obras de grande porte no Rio de Janeiro.

Enquanto projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) esbarravam na demora das licenças ambientais, Minc conseguia aprovar obras em tempo recorde. O mais emblemático foi o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), uma das maiores obras do Estado, que conseguiu meia centena de licenças em menos de um ano.

A amizade entre o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, também contribuiu para indicação do secretário, que atravessa pela primeira vez as fronteiras da política estadual.

Em sua volta do exílio, com a Anistia Política em 1979, Minc logo destacou-se como ativista ecológico, incluindo as questões ambientais na agenda política. Com um estilo ruidoso e midiático de fazer política, ganhou visibilidade e a simpatia de boa parcela da população carioca, sobretudo na zona sul da cidade.

Não houve questão ambiental desde então em que Minc, com 56 anos, não estivesse envolvido. O geógrafo com mestrado em economia tornou-se tão atuante que recebeu, em 1989, o Prêmio Global 500, de luta pela defesa do meio ambiente, o mesmo conferido ao líder seringueiro Chico Mendes.

Seu ingresso na política partidária se deu na fundação do Partido Verde, ao lado de outros ex-exilados atraídos pela questão ambiental, como Fernando Gabeira e Alfredo Sirkis.

Eleito deputado estadual pela primeira vez, em 1986, na eleição seguinte Minc já estava no PT onde permanece até hoje. A mudança de partido não mudou o estilo de ações ecopolíticas que o levaram a portas de fábricas que despejavam resíduos em rios, a recolher lixo nas praias e a pedalar por melhor qualidade de vida nas cidades.

Ao lado da propaganda, Minc foi sempre um parlamentar atuante, com uma centena de leis aprovadas. O espírito propositivo foi levado para a Secretaria do Ambiente, onde aprovou mais de 100 licenças para empresas, o que lhe valeu elogios do empresariado.

Sua marca à frente da Secretaria de Ambiente do Rio de Janeiro foi também a descentralização. Ele descentralizou o processo de licenciamento ambiental para empreendimentos de pequeno e médio porte em 15 municípios do interior do Estado e passou para Prefeitura do Rio o licenciamento de projetos com impacto municipal.

(Reportagem de Mair Pena Neto; Edição de Maria Pia Palermo)