13 de Outubro de 2008 / às 22:54 / 9 anos atrás

CRONOLOGIA-BC age para enfrentar baixa liquidez na economia

BRASÍLIA, 13 de outubro (Reuters) - O Banco Central anunciou nesta segunda-feira mais uma rodada de mudanças nas regras do recolhimento compulsório de depósitos bancários em um esforço para aumentar a liquidez da economia brasileira, em especial o dinheiro disponível para bancos pequenos e médios.

Somadas, as flexibilizações promovidas pela autoridade monetária nos compulsórios ao longo dos últimos 20 dias podem injetar até 107 bilhões de reais na economia. Esse volume pode chegar a 160 bilhões de reais pois o BC anunciou a intenção de implementar liberalização “integral” de determinados compulsórios, sem detalhar cronograma.

Paralelamente às mudanças no compulsório, o BC também tem se empenhado em manter o fluxo de dólares para as instituições e às empresas exportadoras em meio à redução da entrada de recursos estrangeiros no país.

Veja as iniciativas adotadas pela autoridade monetária desde setembro para fazer frente aos reflexos da crise financeira global sobre o Brasil.

18 DE SETEMBRO - Banco Central anuncia que passará a vender dólares ao mercado com compromisso de compra futura. Os leilões serão promovidos com a frequência que o BC entender necessária.

24 DE SETEMBRO - BC adia o cronograma de elevação do recolhimento compulsório sobre captações de empresas de leasing. Também amplia as deduções que os bancos podem fazer do cálculo da exigibilidade adicional sobre depósitos a prazo, à vista e depósitos de poupança de 100 milhões de reais para 300 milhões de reais.

O impacto das medidas é de 13,2 bilhões de reais.

2 DE OUTUBRO - A autoridade monetária permite que os bancos abatam até 40 por cento do recolhimento compulsório incidente sobre depósitos a prazo na compra de carteiras de créditos de instituições financeiras com patrimônio de referência de até 2,5 bilhões de reais.

O impacto potencial da mudança --que só se realiza se todos os bancos que fazem o recolhimento aderirem à flexibilização, que não é obrigatória-- é de 23,5 bilhões de reais.

6 DE OUTUBRO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assina medida provisória que autoriza o BC a emprestar recursos aos bancos por prazos longos. Esses empréstimos podem ser feitos em reais, por meio da compra, com compromisso de revenda, das carteiras de crédito dos bancos, ou em dólares, com a apresentação de garantias.

No mesmo dia, o BC retoma oferta de contratos de swap cambial tradicional pela primeira vez em mais de dois anos. A operação funciona, na prática, como uma venda futura de dólares pelo BC.

8 DE OUTUBRO - A autoridade monetária reduz de 8 para 5 por cento a alíquota do recolhimento compulsório adicional sobre os depósitos à vista e a prazo instituídos em 2002.

Essa mudança liberará até 16,9 bilhões de reais aos bancos, que poderão, em tese, direcionar parte ou a totalidade desses recursos para crédito.

O BC também aumenta o valor que as instituições podem deduzir do cálculo de recursos a serem recolhidos como compulsório sobre depósito a prazo de 300 milhões para 700 milhões de reais. O impacto dessa mudança é de 6,3 bilhões de reais, segundo o BC.

Na frente cambial, o BC decide usar os recursos das reservas internacionais e passa a vender dólares ao mercado sem compromisso de recompra.

13 DE OUTUBRO - O BC anuncia a decisão de implementar programa de liberação integral do recolhimento compulsório sobre depósito a prazo e sobre os depósitos feitos por empresas de leasing e também sobre as parcelas de recolhimento adicional de depósitos à vista e a prazo. O impacto potencial é de 100 bilhões de reais, mas o BC não deu detalhes sobre cronograma e afirmou que as liberações serão efetuadas “de acordo com as necessidades de liquidez dos mercados”.

Mais tarde, o BC autoriza bancos de médio porte --com patrimônio de referência de até 7 bilhões de reais-- a ter suas carteiras de crédito compradas por outras instituições que optem por usar até 70 por cento dos depósitos compulsórios sobre depósito a prazo para isso.

A autoridade monetária expandiu ainda a lista de papéis que podem ser comprados com a parcela de 70 por cento dos compulsórios à prazo, para direitos creditórios oriundos de operações de leasing e títulos de renda fixa emitidos por entidades privadas não-financeiras integrantes de fundos de investimento, entre outros.

Outra iniciativa do BC foi permitir que os bancos abatam temporariamente dos seus recolhimentos sobre depósitos de empresas de leasing o volume de dólares que adquiram da autoridade monetária em operações compromissadas.

As mudanças da segunda-feira podem liberar 47,1 bilhões de reais à economia.

Por Isabel Versiani; edição de Alexandre Caverni

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below