13 de Outubro de 2008 / às 21:09 / 9 anos atrás

REEDIÇÃO-BOVESPA-Proteção a bancos dita maior alta desde 1999

(Esclarece valor liberado com medidas do BC)

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO, 13 de outubro (Reuters) - A euforia dos investidores com a ação coordenada de governos para salvar o sistema financeiro do colapso levou a Bolsa de Valores de São Paulo à maior alta diária em quase uma década.

De uma vez, o Ibovespa .BVSP alçou um vôo de 14,66 por cento, chegando aos 40.829 pontos, apagando quase metade das perdas acumuladas nas últimas sete sessões. Foi a maior alta diária desde 15 de janeiro de 1999, segundo dados da Bovespa.

Isso num dia de movimento mais tímido nos mercados, devido ao feriado norte-americano de Columbus Day, que paralisou os negócios com títulos soberanos. Ainda assim, o giro financeiro da sessão alcançou 5,25 bilhões de reais.

O mercado doméstico refletiu a escalada das principais bolsas internacionais, depois que governos de Grã-Bretanha, Alemanha, França e Itália, entre outros, anunciaram planos de resgate de bancos de seus países. Estima-se que o valor dos programas, que podem incluir capitalização de bancos, possa ultrapassar os 2 trilhões de dólares.

Em Wall Street, os principais índices acionários dispararam mais de 11 por cento. Antes, o principal indicador europeu de ações já havia fechado com um avanço de mais de 9 por cento.

AJUDA TAMBÉM NO BRASIL

Na segunda metade do dia, a euforia dos investidores na bolsa paulista teve ainda um combustível adicional: mais flexibilização do Banco Central para dar liquidez aos bancos domésticos.

A autoridade monetária fez novas alterações nas regras dos recolhimentos compulsórios exigidos dos bancos e autorizou redução do cálculo do compulsório incidente sobre depósitos feitos por empresas de leasing. Estima-se uma liberação de cerca de 107 bilhões de reais em recursos para o sistema financeiro.

"As medidas são um incentivo adicional para a troca de carteiras entre bancos, especialmente para alguns do setor privado que não estavam se mostrando interessados em adquirir carteiras de pequenos", disse João Augusto Frota Salles, analista da consultoria RiskBank.

As medidas catapultaram as ações de bancos. Em destaque, Itaú ITAU4.SA decolou 23,4 por cento, a 28,24 reais; Bradesco (BBDC4.SA) deu um salto de 22,1 por cento, para 26,99 reais; Unibanco UBBR111.SA avançou 22,8 por cento, valendo 16,50 reais; e Banco do Brasil (BBAS3.SA) foi levantanda em 20,7 por cento, cotada a 16,90 reais.

Edição de Vanessa Stelzer

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below