13 de Março de 2008 / às 21:19 / 10 anos atrás

EXCLUSIVO-Cuba libera venda de computadores e DVDs

Por Marc Frank

HAVANA (Reuters) - O governo de Cuba autorizou a venda irrestrita de computadores, aparelhos de DVDs e outros produtos eletrônicos, no primeiro sinal de que o presidente Raúl Castro está agindo para melhorar o acesso de bens de consumo aos cubanos.

Um memorando do governo ao qual a Reuters teve acesso nesta quinta-feira diz que estes e outros eletrodomésticos desejados por muitos cubanos serão vendidos livremente de forma imediata.

A lista inclui televisores --que já estavam à venda-- fornos de microondas, panelas de pressão elétricas, bicicletas elétricas e alarmes para automóveis. Outros itens, como tostadores elétricos, porém, serão liberados na metade de 2010.

“Baseado na melhora do acesso à eletricidade, o governo aprovou a venda de alguns equipamentos que antes era proibida”, informa o memorando interno do governo.

Raúl Castro, 76 anos, assumiu o poder interinamente em Cuba em julho de 2006, quando seu irmão, Fidel Castro, lhe passou o poder para cuidar da saúde após uma cirurgia intestinal.

Raúl Castro se tornou formalmente o novo líder de Cuba em quase meio século em 24 de fevereiro e prometeu atenuar algumas restrições no dia-a-dia dos cubanos.

No ano passado, sob o governo provisório de Raúl, regras de alfândega foram atenuadas permitindo aos cubanos trazer à ilha alguns equipamentos eletrônicos e de automóveis.

A notícia da autorização de venda de tais produtos, que não foi publicada pela imprensa oficial, foi aplaudida em Havana.

“É bom (...) a venda destes equipamentos nos beneficiará, pois acabamos com o pessoal que os vende no mercado negro”, disse Colás, dono de uma loja no centro de Havana.

Mas os produtos serão vendidos em pesos conversíveis, a moeda que é 24 vezes mais forte que os pesos com os quais o Estado paga os salários da maioria da população.

“Está bom, mas não resolve o problema, porque nós, os que temos um salário (estatal), com que vamos comprar computadores?”, disse Claribel, de 42 anos, enquanto comprava numa loja de roupas em Havana.

Raúl Castro tem reconhecido que os salários pagos pelo Estado são insuficientes e prometeu medidas para reanimar a economia e devolver poder aquisitivo aos cubanos.

Os computadores e outros equipamentos só podiam, até agora, ser adquiridos nas lojas do Estado por estrangeiros e empresas, não pelo público em geral.

Raúl Castro flexibilizou em 2007 as regulamentações alfandegárias, permitindo a entrada de computadores e de DVDs --até então proibidos-- mediante o pagamento de impostos.

O memorando diz que o governo está agora “dando passos” para adquirir os aparelhos, que inicialmente serão vendidos em três lojas de Havana.

O documento não especifica a origem dos equipamentos cuja venda será liberada. Muitos dos televisores, refrigeradores e panelas elétricas que o governo tem distribuído à população com financiamento a longo prazo e juros baixos são chineses.

Reportagem adicional de Nelson Acosta e Rosa Tania Valdés

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below