Bispo Rodrigues nega mensalão e diz que apoiava PT por ideologia

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008 16:28 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ex-deputado federal do PL, Carlos Rodrigues, conhecido como Bispo Rodrigues, negou nesta quarta-feira as acusações de envolvimento no caso do mensalão, mas admitiu ter recebido 150 mil reais do PT como pagamento de dívidas da campanha presidencial de 2002.

Em depoimento de 50 minutos na 7a Vara da Justiça Federal, em processo por corrupção e lavagem de dinheiro, Rodrigues disse que nunca conheceu ou ouviu falar, na sua época de parlamentar, de Marcos Valério, SPMB e Banco Rural, acusados de serem os operadores do mensalão.

"Não sabia de nenhum negócio. Não conheço Marcos Valério e nunca tinha ouvido falar nele. Não me preocupei em saber de onde vinham os recursos ... Nunca imaginei que o dinheiro que vinha do PT tinha origem nebulosa. O PT era acima de qualquer suspeita, o guardião da ética na política", disse ele no depoimento.

Rodrigues se recusou a responder perguntas do Ministério Público e de advogados de outros réus presentes ao tribunal, e afirmou que o PL votava com o governo no primeiro mandato do presidente Lula por afinidade política e ideológica.

"Vender o voto seria absurdo. Meu partido votou oito anos (contra o governo Fernando Henrique), indicou o vice-presidente e tinha obrigação de apoiar o PT", afirmou.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier, Edição de Mair Pena Neto)