Concessões para prorrogar a CPMF chegaram ao limite, di Manteg

quarta-feira, 14 de novembro de 2007 14:47 BRST
 

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, reiterou nesta quarta-feira que o governo não poderá fazer mais concessões para aprovar a prorrogação da CPMF, mas disse entender que a proposta apresentada pelo governo na véspera será suficiente para garantir a aprovação da medida no plenário do Senado.

"Nós atendemos não só os anseios da base aliada, que foi plenamente contemplada com aquilo que nós colocamos ontem... mas também atendemos anseios, ou pelo menos uma parte dos anseios, da oposição", disse Mantega a jornalistas, ao chegar ao Palácio do Itamaraty para um almoço.

O governo se comprometeu na terça-feira a reduzir gradualmente a alíquota da CPMF, atualmente em 0,38 por cento, a partir de 2008, até que ela seja reduzida para 0,30 por cento em 2011. Mantega também prometeu isentar da cobrança do tributo as pessoas que ganham até 2.894 reais por mês.

As negociações garantiram a aprovação da proposta de prorrogação da vigência do tributo na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, na noite de terça-feira.

O Palácio do Planalto precisa agora aprovar a medida em duas votações no plenário da Casa.

Questionado se o governo poderia fazer novas concessões, mantega foi categórico: "Nós já fizemos tudo que era possível fazer".

(Por Isabel Versiani)