14 de Maio de 2008 / às 12:52 / em 9 anos

JURO-Sem meta maior de superávit, projeções de juro avançam

SÃO PAULO, 14 de maio (Reuters) - A ausência de uma meta clara para a economia extra que o governo fará ao financiar o fundo soberano pressionava as projeções de juros na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) nesta quarta-feira.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) janeiro de 2010, que tinha o maior giro, subia de 14,20 por cento para 14,32 por cento às 9h49. O DI janeiro de 2009 avançava de 13,02 por cento para 13,08 por cento.

Na terça-feira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o superávit primário que exceder a atual meta de 3,8 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) será encaminhado para a formação do fundo soberano do governo.

Ao contrário da expectativa do mercado, porém, ele não quis definir uma porcentagem para essa economia extra. Com uma meta maior de superávit primário, a política monetária poderia ser menos agressiva, avaliavam os agentes.

Segundo Miriam Tavares, diretora de câmbio da AGK Corretora, as posições compradas em taxas --que apostam em uma elevação maior da Selic-- cresciam “diante da constatação de que a política monetária não terá colaboração extra do lado fiscal para combater as pressões inflacionárias”.

No mercado aberto, o Banco Central já tomou 16,891 bilhões de reais dos bancos, por 1 dia, a 11,65 por cento ao ano.

Reportagem de Silvio Cascione; Edição de Vanessa Stelzer

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below