PANORAMA1-Semana promete mais tensão após venda do Bear Stearns

segunda-feira, 17 de março de 2008 09:22 BRT
 

SÃO PAULO, 17 de março (Reuters) - Apesar de mais curta, devido ao feriado da Páscoa, esta semana promete ser bastante intensa, principalmente depois do terremoto causado pelos problemas de liquidez do banco Bear Stearns BSC.N na sexta-feira.

No domingo à noite, o JP Morgan Chase (JPM.N: Cotações) anunciou que vai comprar o banco por apenas 2 dólares por ação, em uma transação que reduziu o valor do banco para 236 milhões de dólares.

Também no domingo, o Federal Reserve anunciou medidas emergenciais, que incluem a redução na taxa de redesconto que cobra de empréstimos diretos a bancos.

Em comunicado surpresa, o banco central dos Estados Unidos informou que vai cortar a taxa de redesconto de 3,5 para 3,25 por cento, com efetividade imediata

A autoridade monetária também informou que está criando um programa de empréstimo sob o qual as chamadas instituições primárias poderão pedir dinheiro diretamente do Fed pagando a mesma taxa.

Nsta manhã, também foram divulgados novos dados da evolução da inflação no país com a divulgação do Índice Geral de Preços-10 (IGP-10), que desacelerou levemente em março, e a segunda prévia do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), ambos da Fundação Getúlio Vargas.

Também nesta segunda-feira entram em vigor as medidas anunciadas pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, para tentar frear a valorização do real. Nos dois últimos dias da semana passada, o dólar caiu, mas, segundo participantes do mercado de câmbio, isso ocorreu devido à turbulência externa e não pelas novidades apresentadas pelo governo.

Na Bolsa de Valores de São Paulo, o dia é de vencimento de opções de ações, o que pode movimentar ainda mais a Bovespa.

Tudo isso ocorre na véspera de uma reunião do Federal Reserve para definir o juro básico dos Estados Unidos. Com os últimos acontecimentos, cresceu a aposta no mercado norte-americano de um corte de 1 ponto percentual na taxa.   Continuação...