Preocupações de crédito atingem ações financeiras da Ásia

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007 08:24 BRST
 

Por Ian Chua

SYDNEY (Reuters) - Um rebaixamento de classificação de risco do banco norte-americano Citigroup fez os mercados de ações da Ásia recuarem mais de 2 por cento nesta sexta-feira, enquanto o iene caiu depois que a confiança do empresariado japonês teve queda para o menor nível em dois anos.

Os acontecimentos ocorridos durante a noite influenciaram o mercado em direções opostas, com vendas sólidas no varejo dos Estados Unidos ajudando a reduzir temores de que a maior economia do mundo está entrando em recessão.

Mas um corte na nota de risco do Citi pela agência Moody's e alertas do Lehman Brothers sobre novas baixas contábeis geradas pela crise dos mercados de crédito ressaltaram a ameaça às instituições financeiras envolvidas no derretimento das hipotecas de alto risco.

"Isso é algo horrível ... e todo mundo que está dizendo que as coisas estão bem, está vivendo nos sonhos. Isso é algo enorme para se lidar", disse Paul Biddle, gerente de portfólio da Souls Funds Management, em Sydney.

Investidores também digeriam os dados do Banco do Japão que mostraram que a confiança do empresariado da segunda maior economia do mundo caiu ao menor nível em dois anos, fazendo o mercado recuar com expectativas de que a autoridade monetária elevaria juros em 2008.

A bolsa de TÓQUIO fechou em queda de 0,14 por cento, a 15.514 pontos, ampliando perda de 2,5 por cento sofrida na quinta-feira.

Enquanto o isso, o índice MSCI que reúne os outros mercados de ações da região Ásia-Pacífico caía 1,29 por cento, a 526 pontos, pela terceira sessão consecutiva.

Os bancos se desvalorizaram na região, fazendo o índice MSCI do setor cair até 2,6 por cento.

A bolsa de SEUL fechou em baixa de 1,09 por cento, HONG KONG recuou 0,65 por cento. XANGAI foi na contra-mão e subiu 1,01 por cento e TAIWAN teve perda de 0,85 por cento.

CINGAPURA caiu 0,37 por cento e SYDNEY teve desvalorização de 1,61 por cento.