RPT-Cosan vê possível recuperação dos preços do álcool em 2008

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007 12:44 BRST
 

Por Inaê Riveras

SÃO PAULO, 14 de dezembro (Reuters) - Os preços do álcool no mercado brasileiro podem subir em 2008, impulsionados pela demanda gerada pela crescente frota de veículos flex, estimou nesta sexta-feira a Cosan (CSAN3.SA: Cotações), maior grupo independente produtor de açúcar e álcool do Brasil.

Mas os preços internacionais do açúcar devem se manter próximos do nível atual, pressionados ainda pelo aumento de produção da Índia, que nesta temporada deve passar o Brasil temporariamente como maior produtor mundial da commodity.

"A gente acha que a próxima safra (2008/09) vai ser bastante similar a esta (em relação a preços de açúcar). A produção da Índia deve bater novo recorde, puxando os preços consequentemente para patamares bastante similares aos atuais", disse Paulo Diniz, vice-presidente financeiro da Cosan.

"Com relação ao etanol, talvez a situação seja um pouquinho diferente. O grosso (das vendas) é mercado interno... e o mercado brasileiro está bastante robusto e as previsões de crescimento da frota são ousadas", disse Diniz.

O álcool hidratado, usado nos veículos flex, está sendo negociado atualmente em São Paulo por 756 reais o metro cúbico na usina (sem impostos), mas a mínima no ano chegou a 580 reais por metro cúbico, em agosto, nível inferior aos custos de produção, segundo o setor.

Com base em estimativas da indústria automobilística, as vendas de novos veículos flex em 2008 podem chegar a 2,8 milhões de unidades, o que representaria uma demanda adicional de álcool de mais de 3 bilhões de litros. Este seria um aumento de 20 por cento no consumo verificado em 2007/08.

Mas uma possível recuperação de preços é mais provável apenas no fim da temporada de moagem, já que empresas pequenas e médias devem concentrar as vendas durante a colheita, por necessitarem de caixa, afirmou Diniz.

Os preços altos do petróleo também devem contribuir para uma recuperação nos valores internacionais do álcool, disse.   Continuação...