Nokia abre primeira loja-conceito da marca no Brasil

terça-feira, 14 de outubro de 2008 18:01 BRT
 

SÃO PAULO, 14 de outubro (Reuters) - A Nokia, maior fabricante mundial de celulares, abre em São Paulo (SP) no próximo dia 19 deste mês a sua 10a loja-conceito em todo o mundo e a primeira desse tipo com a sua marca no Brasil.

A companhia de origem finlandesa decidiu, em 2005, abrir algumas das chamadas "flagships" em determinados países para que o usuário possa "degustar" toda a linha de produtos e acessórios, tirar dúvidas sobre o seu funcionamento e comprá-los.

A primeira delas foi aberta em Moscou e hoje já existem outras lojas-conceito da Nokia em Londres, Helsinque, Nova York, Cidade do México e Shangai.

"A estratégia é gerar uma experiência de mobilidade com os produtos e serviços da Nokia", explicou Fernando Rheingantz, gerente da Nokia Store SP, que será aberta neste domingo.

Ainda que reconheça que as lojas-conceito "não são um ponto importante da receita", o executivo informa que também será possível comprar tanto celulares como acessórios nesse novo ponto de venda.

Ele ressalta, entretanto, que os preços "seguirão a estratégia da Nokia" e, por isso, não irão incluir subsídios nem condições de financiamento diferentes daquelas praticadas pelo varejo para que essa loja não faça concorrência aos demais pontos de venda ou às operadoras.

Ele ressalta que a Nokia tem 350 mil pontos de venda em todo o mundo, entre as lojas das operadoras, redes varejistras tradicionais e suas próprias lojas.

Na loja, que será aberta na Rua Oscar Freire, tradicional trecho de comércio da classe A da capital, o consumidor terá acesso a demonstrações de experiência móvel, englobando música, navegação, vídeo, imagens, Internet e jogos.

Segundo a Nokia, cada aparelho em demonstração estará conectado à Internet por uma rede WiFi e equipado com acessórios, como caixas de som, fones de ouvido, telas de LCD, impressoras fotográficas e laptops.

Uma área da loja será dedicada a palestras, cursos, eventos e capacitação personalizados.

(Por Taís Fuoco, Edição de Fabio Murakawa)