Reajuste de preços no atacado britânico bate recorde em junho

segunda-feira, 14 de julho de 2008 14:19 BRT
 

Por Matt Falloon e Sumeet Desai

LONDRES, 14 de julho (Reuters) - As indústrias britânicas elevaram seus preços em junho, em termos anuais, no ritmo mais acelerado em ao menos duas décadas para combater os custos recordes da inflação, ressaltando o dilema enfrentado pelo Banco da Inglaterra à medida em que a economia se desacelera e os preços avançam.

A agência nacional de estatísticas afirmou que os preços no atacado aumentaram 0,9 por cento em junho, elevando a taxa anual para 10,0 por cento --maior nível desde o início da série, em 1986.

Os preços dos insumos subiram 2,1 por cento, levando a taxa anual para 30 por cento --também maior nível desde 1986, com os preços dos alimentos e dos combustíveis disparando.

Os temores de uma desacelaração da economia e o possível colapso do mercado imobiliário levaram diversos analistas a argumentarem que o Banco da Inglaterra terá que cortar a taxa de juro em algum momento, mas tais cortes seriam difíceis de justificar diante do aumento das pressões inflacionárias.

Dados que serão divulgados na terça-feira devem mostrar um novo aumento da inflação ao consumidor, que já está no maior patamar em mais de uma década, a 3,3 por cento. Em qualquer outra situação, o juro já estaria subindo.

Ainda assim, a diretora do banco central britânico Kate Barke afirmou em entrevista a um jornal que o BC precisa tomar cuidado para não manter a taxa de juro em patamar tão elevado, o que poderia provocar uma desaceleração acentuada da economia.

Formuladores de política argumentam que uma economia mais fraca poderia ajudar a amenizar a inflação, mas também ressaltam que uma desaceleração muito forte levaria a inflação para patamar abaixo da meta de 2 por cento.