Lucro do HSBC cresce no 3o tri, mas encargos sobem nos EUA

quarta-feira, 14 de novembro de 2007 09:47 BRST
 

LONDRES (Reuters) - O HSBC, maior banco da Europa, informou que seu lucro no terceiro trimestre subiu em relação ao mesmo período do ano passado e que o crescimento da receita do grupo ajudou a compensar encargos maiores com dívidas de difícil recuperação nos Estados Unidos.

A instituição garantiu aos investidores que não está exposta a grandes dívidas em produtos financeiros relacionados a hipotecas e que está se beneficiando de uma ampla operação. As ações do grupo saltavam 3,62 por cento.

O banco não abre resultados trimestrais e não divulgará resultado anual antes de 3 de março de 2008.

O HSBC aumentou provisão para encargos com créditos duvidosos concedidos ao financiamento de consumidores dos EUA para 3,4 bilhões de dólares no terceiro trimestre. O valor é 1,4 bilhão de dólares maior do que indicavam tendências do primeiro semestre e refletiu a deterioração no mercado imobiliário de alto risco no país, nos últimos meses.

O diretor financeiro do banco, Douglas Flint, afirmou que o estrago dos encargos "se manterá elevado e pode aumentar" se o mercado imobiliário continuar a se enfraquecer, mas o banco disse que o panorama era "genuinamente incerto".

"Tem havido uma deterioração mais ampla do mercado de moradias e crédito associado, mas não creio que alguém saiba se atingimos o fundo do poço", declarou o presidente do conselho do HSBC, Stephen Green, a repórteres durante uma conferência.

Diferente das grandes baixas contábeis anunciadas por diversos bancos em Wall Street, a perda do HSBC está relacionada a hipotecas presentes em seus livros contábeis. O banco afirmou que está pouco exposto a títulos lastreados por hipotecas (CDO).

Rivais, incluindo Citigroup, Merrill Lynch e UBS, anunciaram cerca de 45 bilhões de dólares em prejuízos e baixas contábeis no mês passado depois que um derretimento no valor de títulos hipotecários afetou o mercado de CDOs.

Crescimento contínuo na região da Ásia-Pacífico, Oriente Médio e uma melhora no desempenho na Europa deram base ao crescimento do grupo e "reforçam os benefícios do balanço equilibrado do HSBC e fluxos diversificados de receita", informou o banco.   Continuação...