Com maior poder de barganha, SLC minimiza alta no custo agrícola

sexta-feira, 14 de março de 2008 14:50 BRT
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO, 14 de março (Reuters) - A SLC Agrícola (SLCE3.SA: Cotações), uma das maiores empresas produtoras de soja, milho e algodão do Brasil, deverá aumentar em cerca de 15 por cento a área plantada na próxima safra (2008/09), para quase 200 mil hectares, minimizando com seu maior poder de barganha com fornecedores a forte alta dos insumos, disse um diretor.

A empresa fundada em 1977, que abriu capital em junho de 2007, com negócios focados exclusivamente na produção das três commodities agrícolas, tem buscado recursos no mercado como forma de expandir a área plantada, num modelo de negócio que começou a atrair também fundos e bancos de investimento no exterior [ID:nN13314449].

Com a recente mudança de patamar dos preços das commodities agrícolas, em função de uma maior demanda dos setores alimentícios e de biocombustíveis, novos agentes estão em busca de terras, o que não parece intimidar os planos da SLC, que, ao contrário, quer aproveitar seu tamanho e modelo baseado em altas produtividades para melhorar suas margens num setor com custos crescentes.

"Temos escala, somos um dos maiores produtores, tentamos usar esse poder de barganha para negociar preços melhores e pagamos (fornecedores) adiantado também", disse à Reuters Laurence Gomes, diretor financeiro e de Relações com Investidores da SLC.

Esse trunfo dá à companhia, disse Gomes, capacidade de conseguir descontos sobre insumos, num momento em que os preços dos fertilizantes, por exemplo, dobraram em relação à safra passada --um diferencial importante dos grandes produtores sobre aqueles de médio e pequeno portes.

Mas Gomes destacou que, se os insumos subiram, as cotações das commodities estão em seus maiores valores históricos, o que deve, mais do que qualquer coisa, favorecer o desempenho da companhia em 2008.

A SLC, que encerrou 2007 com lucro líquido de 31,6 milhões de reais, aumento de 257 por cento ante 2006, prevê assim resultados melhores no atual exercício.

"Em 07/08, estamos plantando 168 mil hectares, o que representa 43,5 por cento a mais do que a safra 06/07. Esse aumento será refletido no balanço de 2008. Com os preços em alta, apesar de os custos não serem os mesmos, vamos ter um bom ano novamente", declarou Gomes.   Continuação...