Lula diz que medidas cambiais serão sentidas no médio prazo

sexta-feira, 14 de março de 2008 18:03 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira que os efeitos das medidas cambiais anunciadas pelo governo esta semana só serão sentidos no médio prazo e vão ajudar o crescimento do Brasil.

Na quarta-feira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou ações para conter a desvalorização do dólar. A principal delas foi a introdução de uma taxação de 1,5 por cento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre investimentos feitos por estrangeiros em títulos de renda fixa.

O governo também suspendeu a cobrança de IOF sobre as operações de câmbio feitas pelos exportadores e acabou com a exigência de que os exportadores internalizem parte de suas receitas com vendas. Todas as medidas visam conter o fluxo de dólares para o país e limitar a apreciação do real.

"Não existem medidas cambiais imediatas. Isso tem um processo, elas vão surtir efeito. É como dor de cabeça, você não melhora quando toma um comprimido. Você vai ter que esperar meia hora, quarenta minutos até ele fazer efeito", comparou Lula em Araraquara, interior de São Paulo.

Em entrevista a jornalistas divulgada pela assessoria do Planalto, Lula disse ainda que as medidas são preventivas para "facilitar e não inibir" o crescimento do país.

"Nós queremos melhorar a nossa capcidade de exportação, nós queremos trabalhar para que o real não fique tão valorizado, porque isso diminui a quantidade de produtos que nós exportamos", afirmou.

(Texto de Mair Pena Neto)