Fed organiza socorro ao Bear Stearns, ações despencam

sexta-feira, 14 de março de 2008 18:39 BRT
 

Por Joseph Giannone e Dane Hamilton

NOVA YORK (Reuters) - O Bear Stearns disse nesta sexta-feira que uma crise repentina de liquidez o forçou a buscar recursos de emergência com o Federal Reserve e o JPMorgan Chase, intensificando o temor sobre o agravamento da crise global de crédito e enxugando praticamente metade do valor de suas ações.

Foi o primeiro socorro de um agente intermediário pelo Federal Reserve desde a Grande Depressão, e a última de uma série de ações para tentar acalmar os mercados financeiros, assustados com o contágio dos problemas provocados pelo aumento da inadimplência nas hipotecas.

A linha emergencial, de 28 dias, foi criada dois dias após o Bear, que foi duramente abalado pela exposição pesada ao mercado hipotecário dos Estados Unidos, desmentir rumores de mercado sobre uma falta de liquidez. O banco havia dito que ainda era um player saudável na rede global de operações e finanças.

Mas o tom mudou nesta sexta-feira. O presidente-executivo do Bear Stearns, Alan Schwartz, explicando porque o banco recorreu ao Fed e a um banco concorrente, disse: "Nossa posição de liquidez nas últimas 24 horas se deteriorou de forma significativa."

"Nós tomamos esse passo importante para restaurar a confiança do mercado em nós, fortalecer nossa liquidez e permitir que possamos continuar nossas operações normais", disse Schwartz.

Mas, dentro do banco e em Wall Street, o panorama era bastante ruim.

"O humor está sombrio", disse um vendedor de ações do Bear Stearns que pediu para não ser identificado. Ele disse imaginar que haverá uma aquisição na segunda-feira.

Os investidores, enquanto isso, fugiam. As ações do Bear derreteram com volume recorde, em baixa de 45,9 por cento, e tosaram 3 bilhões de dólares em valor de mercado.   Continuação...