Zona do euro desaquece e incita apostas em juro menor

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008 12:41 BRST
 

Por Jan Strupczewski

BRUXELAS (Reuters) - A economia da zona do euro desacelerou no quarto trimestre, estimulando as expectativas de que o Banco Central Europeu (BCE) vai cortar o juro básico apesar do tom agressivo contra a inflação.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos 13 países que utilizam o euro cresceu 0,4 por cento na comparação trimestral, ante 0,8 por cento no terceiro trimestre, informou o escritório de estatísticas da União Européia nesta quinta-feira.

O desaquecimento foi um pouco menor que o esperado, já que a previsão era de expansão de 0,3 por cento, mas analistas alertam que este é apenas o começo.

"Todos os dados (antecedentes) confiáveis sobre o crescimento da zona do euro apontam para notícias ainda piores à frente. O pior ainda está por vir, não há dúvida", disse Kenneth Wattret, economista do BNP Paribas.

A taxa de crescimento foi o dobro da dos Estados Unidos, onde o governo decidiu injetar 152 bilhões de dólares nas mãos de contribuintes para evitar uma recessão e o Federal Reserve fez dois cortes agressivos do juro em janeiro.

Importantes autoridades monetárias da zona do euro afirmaram na segunda-feira que tais medidas são desnecessárias na região. Eles prevêem que o crescimento desacelere apenas para 1,8 por cento este ano.

Economistas, no entanto, estão menos otimistas.

Na comparação anual, o crescimento diminuiu para 2,3 por cento no último trimestre de 2007. No ano todo, a economia cresceu 2,7 por cento, ante 2,8 por cento em 2006.

Economistas afirmaram que neste ano a fraqueza dos EUA e o avanço do euro devem afetar as exportações da Europa, enquanto o aperto global nas condições de crédito deve reduzir os investimentos.

"O crescimento da zona do euro terá muita sorte se superar 1,5 por cento este ano", afirmou David Brown, economista-chefe para Europa do Bear Stearns. "Isso desperta um chamado para que o BCE corte o juro logo."