14 de Fevereiro de 2008 / às 21:42 / 10 anos atrás

Empresas assinam contratos de rodovias e miram Rodoanel

BRASÍLIA/SÃO PAULO (Reuters) - O governo Lula, por meio da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), formalizou nesta quinta-feira a concessão de 2,6 mil quilômetros de rodovias federais em seis Estados, com a assinatura de contratos com as empresas BR-Vias e OHL do Brasil.

As duas concessionárias, que venceram o leilão de concessões em outubro, investirão 650 milhões de reais nos primeiros seis meses para realizar os trabalhos iniciais de administração e manutenção dos seis lotes de estradas leiloados em outubro na segunda etapa do Programa Federal de Concessões Rodoviárias.

Em 25 anos de concessão, a OHL terá que investir um total de 14,5 bilhões de reais nos cinco lotes que venceu, enquanto a BR-Vias, em seu único trecho, tem um compromisso de 1,5 bilhão de reais no período, segundo a ANTT.

A próxima etapa do programa deve ocorrer até julho, com o leilão de 600 quilômetros de estradas na Bahia, com investimentos previstos de 2 bilhões de reais. Outras duas fases devem ocorrer dentro do processo de concessão: uma delas em novembro de 2008 e outra até abril de 2009.

Para as empresas, o próximo foco agora é a licitação do Rodoanel. Tanto a OHL quanto a BR-Vias afirmam que vão participar do leilão do anel viário paulista, que tem expectativa de leilão para março.

"Nós vamos participar sem dúvida da licitação do Rodoanel", disse Martus Tavares, presidente da BR-Vias, acrescentando que existem conversas preliminares com outras companhias para a formação de uma parceria.

"Ainda não temos um entendimento firmado. Mas por enquanto são só os três acionistas", relatou Martus. O consórcio é formado pelas empresas Splice, WTorre e Comporte.

Ele afirmou ainda que tem apenas um "interesse preliminar" em licitações como a de rodovias federais da Bahia. "Só posso confirmar interesse após conhecer o edital".

Já a unidade brasileira da espanhola OHL anunciou que se sente atraída também outras concessões em São Paulo.

"Eu considero atraentes não só o Rodoanel, mas as rodovias Dom Pedro, Airton Senna e Marechal Rondon", disse José Carlos Ferreira de Oliveira Filho, presidente da OHL Brasil. No Rodoanel, a OHL pretende concorrer com um parceiro dos Estados Unidos.

Segundo o presidente da OHL, as obras nos seis trechos começam assim que sair a autorização no Diário Oficial. "Alguma coisa pode começar na sexta-feira e até segunda-feira podemos ter de 500 a 600 homens trabalhando em 44 frentes de trabalho", afirmou.

A agência informou que, após a publicação dos contratos de concessão no Diário Oficial da União, as concessionárias passam a ser responsáveis pela administração e manutenção dos trechos. Cada empresa tem até seis meses para concluir os trabalhos de eliminação de problemas emergenciais, dotando a rodovia de requisitos de segurança e conforto.

Após esses seis meses, começa a etapa de recuperação da rodovia, junto com a cobrança de pedágio e a manutenção dos trechos concedidos.

Os contratos assinados nesta quinta-feira correspondem a trechos das rodovias BR-153, BR-116, BR-101, BR-381 e BR 376.

Reportagem de Alberto Alerigi Jr. e Sérgio Spagnuolo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below