ESPECIAL-Licitação do governo pega setor de satélite num gargalo

quarta-feira, 14 de novembro de 2007 08:30 BRST
 

(Repete notícia publicada na noite de terça-feira)

Por Renata de Freitas

SÃO PAULO, 14 de novembro (Reuters) - O governo tem meio bilhão de reais para destinar a empresas de satélites numa licitação que prevê conectar todos os municípios brasileiros à Internet. A disputa entre fornecedores será acirrada, na avaliação oficial, mas acontecerá em um momento em que a oferta de capacidade de satélite do país está estrangulada e os preços vêm aumentando.

Especialistas consultados pela Reuters foram unânimes em observar a delicada correlação entre oferta e demanda neste momento. Não se trata de um "apagão" mas de um "gargalo", observaram.

"Até dois anos atrás havia excesso de oferta, hoje o que se vê é excesso de demanda. Isso acarreta reações de mercado e na precificação dos contratos", afirmou o vice-presidente de Planejamento Estratégico da Brasil Telecom BRTP4.SA, Luiz Francisco Perrone.

O grande lançamento do ano, o satélite Star One C1, que aconteceria na semana passada, a partir da base de Kourou, na Guiana Francesa, foi adiado devido a anomalias técnicas identificadas no foguete lançador da Arianespace, já nos testes finais. Novo adiamento aconteceu na segunda-feira.

A Star One, empresa da Embratel EBTP4.SA e da GE Capital Equity Investments, espera que o lançamento se realize nos próximos dias. Os planos originais da Star One previam que o C1 estivesse no espaço desde 2006, com capacidade adicional em relação ao Brasilsat 2, que será substituido.

Os 16 transponders (receptores e transmissores de sinais) adicionais posicionados na chamada banda Ku darão à Star One mais fôlego na oferta de conexão rápida de Internet num cenário de demanda crescente. A Star One contrata hoje capacidade em banda Ku da New Skies.   Continuação...