RPT-Ambientalistas questionam se Minc suportará pressões

quinta-feira, 15 de maio de 2008 08:43 BRT
 

(Repete texto publicado na noite de quarta-feira)

Por Carmen Munari

SÃO PAULO, 15 de maio (Reuters) - O novo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc (PT), assumirá a pasta num cenário adverso, com desafios à agenda ambiental por parte de ruralistas e de desenvolvimentistas. Na avaliação de organizações ambientalistas, Minc terá dificuldade de atuação neste contexto.

Em outro front, o nome de Minc provocou divisão no PT, já que uma parcela do partido era favorável à indicação do ex-governador do Acre Jorge Viana (PT), que recusou o convite feito pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Minc tem histórico de defesa ambiental, mas terá de se comparar a Marina (Silva, ex-ministra), que sai maior do que entrou. Trata-se de um enorme desafio para ele porque a política ambiental é feita por executores", disse à Reuters Paulo Adario, diretor do Greenpeace no Brasil.

Para o dirigente, que elogiou a combatitvidade do novo ministro, de um lado o agronegócio pressiona pelo relaxamento das regras de desmatamento e de outro Minc terá que provar que a atual política ambiental será mantida, como declarou o presidente Lula.

O Greenpeace acredita ainda que Minc terá de conquistar a opinião pública internacional, que tinha em Marina um símbolo.

Outra representante, Denise Hamú, secretária-geral da WWF Brasil (Fundo Mundial da Natureza), vê entre as qualidades do novo ministro a do diálogo com os produtores.   Continuação...